terça-feira, 5 de fevereiro de 2008

Manipuladores manipulados

por Jefferson Ramalho

É muito comum ouvir em seminários teológicos que o neopentecostalismo conseguiu chegar aonde chegou, devido à habilidade que os seus líderes têm para manipular as massas. Essa não é uma afirmação incorreta.

Contudo, por causa do tempo de vida que as igrejas neopentecostais já têm, não é correto dizer que todos os seus líderes são apenas manipuladores. O problema é mais grave ainda. Muitos que hoje estão à frente de igrejas e comunidades locais das chamadas mega-igrejas evangélicas são pessoas que “se converteram” naquele ambiente mesmo, e, sempre aprenderam aquelas aberrações como verdades fundamentadas no Evangelho. Aí reside o tal problema.

Os antigos discípulos se tornaram mestres, mas não deixaram de ser discípulos de seus antigos líderes. Hoje continuam sendo manipulados, pois permanecem aprendendo a mentira como se fosse verdade, e mais do que isso, eles também encaminham tais mensagens aos novos discípulos, fazendo uso da mesma estratégia de manipulação com a qual foram "formados".

Há denominações em que para ser líder é necessário entrar no jogo da manipulação de massa, porque se o cara não consegue persuadir e conseqüentemente arrecadar bastante dinheiro, ele não tem vocação para o “ministério”.

Obviamente há exceções, e sobre isso eu nem precisaria me referir, contudo, as não exceções predominam. Quem está por cima da carne-seca são os vigaristas, mesmo. Aqueles que transformaram a Bíblia em um manual de arrecadação de dinheiro, de manipulação de pessoas simples de mente e coração, de fantasias inescrupulosas, e tudo isso, para que o caixa esteja cada vez mais abastecido.

Algumas personagens bíblicas jamais seriam um desses líderes evangélicos. Jeremias é um deles. Para quem conhece um pouquinho da sua história e dos seus lamentos, nem é preciso dizer o porquê. Seria um péssimo manipulador.

O que então dizer de Noé? Será que ele conseguiria levantar o dinheiro que esses “pastores” levantam? Será que ele faria as proezas que estes caras fazem? E Jesus, coitado?! Seria um fracasso! Não teve coragem de pular do pináculo do templo para mostrar ao diabo o quanto era poderoso, logo, seria chamado de “crente sem fé”. Jamais teria sido um líder com a ousadia dos pastores neopentecostais que são especialistas em mostrar ao diabo o quanto são poderosos.

É isso aí. Poderíamos listar aqui inúmeros exemplos bíblicos de fracasso à luz daquilo que o neopentecostalismo chama de derrota. Triunfo passou longe da vida dos heróis da Bíblia. Se eles foram reconhecidos como heróis da fé lá em Hebreus, não adianta nada. Nem cinzas mais existiam deles, quando aquele texto foi escrito. Os crentes atuais são convidados à vitória e ao triunfo hoje e agora.

Abraão nunca soube que foi chamado de "pai da fé", e, se ele fosse neopentecostal, teria ficado furioso com Deus, porque só teria graça ser reconhecido como "pai da fé" enquanto estivava vivo e não séculos após a sua morte. É esta a essência da mensagem do neopentecostalismo. Prosperidade já! Reconhecimento já! Status, honra, triunfo,...

Tudo porque aqueles que um dia foram manipulados continuam sendo, e, além disso, se tornaram sem perceberem, manipuladores também. E este ciclo não pára. À medida que essas mega-igrejas “crescem”, os manipuladores aumentam, a manipulação nunca termina.

Diante disso, confesso que não sei o que deve ser feito em relação a eles: orar, protestar, convidá-los ao arrependimento, desafiá-los a um debate ou a um diálogo, enfim, não sei o que deve e o que pode ser feito. Talvez, não haja nada a se fazer. Eles estão nas mãos do Altíssimo e Este sabe muito bem o que faz!

na Graça,

Jefferson