sábado, 28 de março de 2009

O clemente e misericordioso Jesus

Por Domingos Parda Braz

B - Jesus acolhe os homosexuais.

Possui o Cristianismo nominal diversas chagas como o racismo, machismo, homofobia, sociofobia, etc e precisa ser curado delas para cumprir o propósito a que foi destinado.

Uma mula manca não pode lavrar a terra e torna-la fecunda.

A Cristandade precisa lançar para fora de sí e repudiar a todos os preconceitos judaicos, precisa para de mancar...

Precisa condenar o mal e não a aparência do mal e abraçar o bem e não a aparência do bem.

As aparências não servem para nada.

Não pretendo de forma alguma analisar os textos vetero-testamentários alusivos a homosexualidade, para mim eles valem tanto quanto os textos vetero testamentários referentes aos animais puros e impuros, a carne de porco, ao sangue, ao vestuario, a barba, etc Ou seja, nada.

Não sou judeu ou judaizante sou Cristão e enquanto tal não estou sujeito a qualquer lei civil ou religiosa referente ao povo hebreu...

Acabo de ler um artigo no qual se alega que Cristo - sabendo de antemão que a igreja se tornaria homofobica e que a homofobia é um erro - devia ter proclamado oficialmente a abolição dos textos vetero-testamentários pertinentes ao homosexualismo...

Certamente que Cristo sabia de antemão que sua igreja seria dominada pelo preconceito da homofobia, como sabia que ela seria dominada pelo preconceito do machismo, pelo preconceito do racismo ou da raça pura, pelo preconceito contra o social, pela teologia da prosperidade, etc Ora a raiz de todas esta abominações monstruosas esta justamente lá no velho Testamento ou melhor na lei judaica...

Nas leis que punem apenas a mulher, na fábula do 'povo eleito', nas promessas temporais feitas aos hebreus, etc

Jesus bem sabia que a Cristandade daria as costas a suas leis de amor para como uma porca lavada regressar a pocilga imunda do Velho Testamento com seu cortejo bizarro de preconceitos.

Jesus sabia que seus filhos judaizariam e que os fariseus seus adversários tomariam a igreja de assalto promulgando dogmas estranhos e desumanos. De tudo isto ele sabia muito bem...

Segundo o nosso fundamentalista X Jesus deveria ter abolido a cada um destes versículos ou textos do VT pertinentes a homosexuais, mulheres, povo eleito, promessas temporais, etc

Logo Jesus deveria ter consagrado a maior parte de sua vida a desferir golpes contra a lei hebraica, visando demoli-la. A sermoar contra cada um de seus paragrafos...

Pobre Jesus, como haveria de dormir...

Jesus preferiu não demolir ou melhor preferiu demolir doutra maneira: construindo a igreja sobre nova base, a base da alteridade, da justiça, da bondade, da misericórdia, do amor...

Uma construção verdadeiramente divina, que não se perde em picuinhas e sutilezas como o Testamento velho.

Na verdade Jesus aboliu o Velho Testamento todo duma só vez e duma só vez fulminou todos os preconceitos hebraicos... Poupou seu tempo para a obra do amor e da graça e lanço o machado contra a raiz da arvore velha e carcomida...

Mas como, onde e quando? pergunta o fundamentalista de plantão.

Pergunta tola e frívola, pois até os fundamentalistas mais fanáticos não tomam a peito cumprir toda a lei de Moisés...

Fundamentalista escanhoa, a lei mosaica proibe...

Fundamentalista come torresmo, a lei...

Fundamentalista come carne sufocada... e se esquece do concilio de Jerusalem (atos XV)...

Fundamentalista mistura peças de lã e linho...

Fundamentalista não queima mais bruxas...

Fundamentalista não usa filactério ou mezuzá...

O fundamentalista viola a lei de Moisés de cabo a rabo...

Mas onde esta escrito que Jesus aboliu cada uma dessas leis sr fundamentalista?

Escrito esta que quem diz cumprir toda a lei falhando num só preceito profana a lei...

Todo fundamentalista ao fazer propaganda de alguns preceitos hebraicos sem fazer caso dos outros faz-se profanador da lei...

Tendo em vista evitar esse estado caótico de coisas, peculiar as seitas, Jesus aboliu duma vez todas as leis judaicas e nossos fundamentalistas sabem muito bem disso...

Pois disse: Da lei nenhum traço passará.

Ora só há dois modos de se compreender e aplicar estas palavras: Ou Jesus empregou o termo lei em sentido genérico (lato) querendo significar toda a Torá ou todo Velho testamento, ou aplicou-a em sentido estrito tendo em vista apenas aquela lei escrita sobre as tabuas de pedras e posta dentro da arca ou seja o Decalogo, os Dez mandamentos...

Se se admite que Jesus empregou o termo genericamente toda a Cristandade é ré de apostasia pois nenhum Cristão - nem os judeus de hoje - observa a lei de Moisés em sua integralidade ou seja em cada um de seus preceitos e normas. E além de apostata é cega pois a consciência Cristã, mesmo a fundamentalista, jamais pretendeu cumprir toda a lei.

Por outro lado se empregou-a em sentido estrito designando apenas e tão somente o decalogo, como afirma a tradição da igreja em sua totalidade, o fundamentalismo é uma mentira...

Não há outra solução para a questão da lei hebraica. A luz deste versiculo pretencioso ou subsiste totalmente em sua integralidade ou é abolida totalmente, em sua totalidade, como um bloco. Tal o nosso ponto de vista, do Velho Testamento subsiste apenas o Decalogo em matéria de moral. Nada mais.

A prática de selecionar alguns preceitos e regeitar outros tantos, ao árbitro de cada freguez é pura e simples artificalidade. Retorno ao judaismo, judaização, traição cinica e sórdida da parte de alguns pseudo Cristãos... Não há que se por vinho novo em odres velhos ou de se cozer tecido novo em roupa velha...

Tampouco levarei em consideração os clamores do apóstolo Paulo, que era judeu e tributário das tradições judaicas... afinal se desse ouvido ao apóstolo deveria afirmar igualmente o machismo de que ele é porta voz, o escravismo contra o qual não se revolta, a pena capital que parece afirmar...

Ora todas estas afirmações de Paulo enquanto tributário de Gamaliel e dos tanains se opõe diametralmente ao exemplo de Cristo.

Pois Cristo andava cercado por mulheres e prostitutas, afirmou-se como libertador de todos os seres e disse a Pedro que embainha-se sua espada... Fez das prostitutas suas comensais no reino eterno, beneficiou servos e escravos e proclamou bemaventurados os pacificos...

Entre os elementos judaicos do 'corpus paulinos' e os exemplos deixados pelo divino Mestre fico instintivamente com o divino Mestre e Logos encarnado. Pois se o glorioso apóstolo podia se equivocar o Logos divino é infalivel.

Fico como Jesus ao lado das mulheres, das crianças, das prostitutas, dos servos, dos fracos, dos pobres e dos homosexuais, enfim de todos os excluidos da sociedade e do paraiso hebraicos. Faço-me defensor deles e seu porta voz e assim cultuo a Jesus com um culto sincero fiel e superior... com um culto que aceita as pessoas e as diferenças, que as compreende e acolhe.

Admiro Paulo já porque ele também soube vibrar um rude golpe na mentalidade judaica renascente e proclamar o cárater verdadeiramente católico da Igreja. A ele devemos o fato da igreja firmar-se como tal, como um organismo distinto do judaismo ao invés de finar-se como uma seita judaica...

A ele devemos ainda a formulação da doutrina da graça...

Ele soube superar aos demais apóstolos e assimilar a mente de Cristo num gráu muito superior, entretanto era hebreu filho de hebreus e aluno de Gamaliel, em suma: certos preconceitos hebraicos faziam parte de sua personalidade e estavam arraigados em seu subconsciente. Também ele foi filho de seu tempo e em parte ao menos teve de pagar tributo a sua geração.

Cristo não pagou tributo algum pois veio do céu... esteve tão a frente de sua época e mesmo da nossa quanto o céu da terra.

Por isso quando o Centurião vem até ele e súplica> 'Salva meu servo amado' Jesus bem sabia de que amor se tratava...

Os homens sofismam, mas Cristo era onisciente e complascente...

Podia ter fulminado aquele homem e lançado raios sobre ele...

Mas não o fez...

Cristo sabia que desde tempos imemoriais os soldados praticavam a homosexulidade.

Sabia que nos tempos de exercicios marciais e guerras não há mulheres suficientes o tempo todo. Sabia que os guerreiros não são assexuados ou seres angelicais... Sabia que a pederastia era comum nos quartéis e regimentos de ontem e de hoje...

Sabia que os tebanos da falange sagrada eram casais homosexuais.

Que Aquiles e Alexandre haviam praticado o homosexualismo e a exemplo deles quase todos os generais, comandantes e capitães da antiguidade... cada qual tinha tido seu Patroclo ou seu Hefestion...

Que Cesar era mulher de todos os homens romanos...

Que os romanos por sinal não se distinguiam dos gregos senão por serem mais propensos ainda a relações desse tipo...

Sabia portanto que o amor nutrido pelo centurião era do gênero éros... que viviam juntos, que tinham um caso, que eram homosexuais ou pervertidos...

Diante disso Jesus deveria ter enxotado aquele oficial como a um cão sarnento, como só os nossos puritanos e temperantes sabem fazer com os pobres e pedintes...

Mas Jesus tudo sabe e sabia as razões, a profundidade, a sinceridade, a fidelidade e a grandeza daquele amor proibido e condenado.

Mais... Jesus sabia o quanto aquele homem estava sofrendo por causa de seu companheiro! Sabia que aquele sofrimento não era uma 'pouca vergonha' ou uma 'sem vergonhice'... sabia que aquele sofrimento era divino pois brotava das entranhas daquela alma ralada por guerras e conflitos...

Então que faz Jesus?

Lhe diz: Vou a tua casa sara-lo eu mesmo...

Não posso conter as lágrimas diante de cenas como estas ou da viúva de Naim...

São paginas que engrandecem o Evangelho e o fazem atingir as culminância do divino.


--- Conheço teu sofrimento e me compadeço de ti. Sei que cres verdadeiramente em mim e por isso vou eu mesmo até a tua casa curar o teu amigo.

Ao ouvir estas estranhas palavras o oficial teve uma sobresalto!

Pois sabia que Jesus conhecia sua condição de pecador e de impuro aos olhos do povo judeu e que um rabino piedoso jamais tocaria nele ou entraria em sua casa com receio de contaminar-se. Ele sabia que era um pária, um rebotalho de ser humano diante dos escribas e fariseus...

Certamente pensou na reputação de Jesus e no escandalo que tal vizita causaria, por isso lhe disse:

Indigno sou Senhor de que entres em minha morada!

Sou um homosexual, um pecador, um ímpio, um pária aos olhos do teu povo, se entrares na minha casa ficareis maculado...

Dize pois uma palavra só e meu servo sarará porque creio que és o Supremo Senhor dos universos...

Somente no capítulo décimo sexto deste Evangelho de Mateus é que Pedro conseguiu chegara tal conclusão...

Um indigno, um homosexual, um pária, se antecipa a Marta, a Maria, a Samaritana e a Pedro, toma a dianteira e confesa estar diante do Todo poderoso, porquanto aquele que pode curar qualquer enfermidade, a distância e com uma palavra Todo poderoso é.

Só resta ao Verbo da vida exclamar quase admirado: Fé como esta assim tão grande jamais ví em Israel!!!

Oh elogio!!!

E quem lho recebe?

Um pagão, um indigno, um homosexual e não um rabino tanaita ortodoxo cumpridor estrito da Torá. Mesmo porque tais criaturas embiocadas só souberam despertar horror na alma divina do Mestre dos mestres...

E Jesus lho atende, e lho recompensa, e lho benefícia, e lho elogia... a um tipo que a Cristandade, precipitada no abismo tenebroso do judaismo execra!!!

Ah Jesus Bendito que é feito da tua obra?

Não apedrejastes a prostituta e teus seguidores desejaram apedreja-la...

Não regeitastes ao homosexual e teus adoradores hostilizam-no...

Não despedistes as crianças, mas teus cultuadores encaram-nas como seres cheios de todo pecado...

Não afastastes as mulheres para longe de ti, teus pretensos representantes querem acorrenta-las ao fogão...

Não fugistes do mendigo Bartimeu, mas a Cristandade ainda repete: cala-te!

Não permitistes que a pobre velha permanecesse encurvada e teus servos atiram os próprios pais em açougues a que chamam de asilos.

Não repudiastes ao trabalhador cuja mão estava torta de tanto trabalhar!

Teu povo só tolera aos Finéias e Zaqueus, porque teem a bolsa cheia de dinheiro...

Tu acolhestes a todos os repudiados e excluidos, a toda a 'plebe maldita' que a lei hebraica fuminava, a tantos quantos os fariseus excomungavam fechando o paraiso... a todos esses infelizes e sofredores, a todos esses párias, a todos esses mártires do preconceito tu recebestes e lhos encaminhastes a verdade e a luz.

Pena que a tua igreja não soube manter-se a altura do teu evangelho, indo pedir migalhas e retalhos a Moisés...

Mas nós jamais desesperaremos e jamais deixaremos de lutar por um Evangelho puro, imaculado Cristão e isento de substratos culturais hebraicos.

Nossa luta Jesus é tua luta... nosso trabalho foi o teu trabalho... e de Paulo, de Marcion, de Clemente, de Origenes, de Eusébio, de Agostinho, de Tomas, de Welhausen, de Weil...

Na tua vinha, a vinha do amor trabalhamos com fé.