segunda-feira, 21 de setembro de 2009

O pão nosso de cada dia

O PÃO NOSSO

DE CADA DIA

"O pão nosso de cada dia, nos dai hoje..."

Jesus foi um homem de dores, que não tinha onde reclinar a cabeça.

O mundo que ele criou, não o recebeu...

O mestre foi que ensinou que não deveríamos ajuntar tesouros na terra...

Que dificilmente um rico entraria no reino dos céus...

Que deveríamos dar um banquete, não aos nossos amigos, mas para aqueles que não têm como retribuir...

Que disse para não ficarmos ansiosos por coisa alguma, pois o Pai tem cuidado de nós...

Pense bem...

Temos o direito de pedir mais do que o pão de cada dia?

Não estaria o pão aqui representando, entre outras coisas, a suficiente saciedade de nossas necessidades diárias?

Certamente, que por causa de nossa fraqueza, pedimos a Deus que nos ajude a fazer aquela entrevista de emprego, a nos ajudar a escolher o melhor produto, a passar no vestibular, etc....

Nada demais nisso. Somos seres fracos, medrosos, e tais coisas fazem parte de nossa relação com Ele.

Mas focar totalmente nestas coisas... Aí é que mora o problema....

Por isso, será que temos o direito de criar uma religião em que ensine a pedir muito mais do que aquilo que o Mestre ensinou?

Temos o direito de participar e corroborar com uma religião assim?

Ou seremos como Paulo, que ensinou ao seu discípulo que, "tendo o que comer e o que beber, com isso estaremos contentes?" Ou diríamos que uma religião que não pode melhorar minha condição material de vida não serve para mim?

Pensemos nisso.