segunda-feira, 12 de agosto de 2013

As características do ministério de Cristo




De sorte que haja em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus,

Que, sendo em forma de Deus, não teve por usurpação ser igual a Deus,

Mas esvaziou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens;

E, achado na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, sendo obediente até à morte, e morte de cruz. (Filipenses 2:5-8)

Quando o apóstolo Paulo escreveu esta epístola, ele estava na prisão. Sua carta aos filipenses é também conhecida como a "epístola da alegria", tendo em vista o ótimo relacionamento que o apóstolo tinha com aquela comunidade. Ele iria agradecer o apoio que tal igreja estava dando a ele durante a sua prisão. Entretanto, o seu coração pastoral também o levou a dar algumas exortações àquela igreja, por ter tido conhecimento de que havia algumas dissensões na comunidade.

O apóstolo dos gentios ensinou então a humildade como a primeira condição de vida em comunidade e solução de conflitos, e argumenta que Jesus é o exemplo máximo de tal humildade, exortando seus leitores a  terem o mesmo sentimento que Cristo. Ocorre que, ao fazer tal descrição da humildade de Cristo, Paulo acaba por nos dar  também algumas características do ministério de Jesus, das quais iremos ver algumas.

A primeira característica da vida e do ministério de Jesus é o seu auto esvaziamento, sua renúncia à condição que ocupava como Filho de Deus. Esta tem sido uma questão que tem durante séculos desafiado a teologia cristã, entretanto, o que podemos saber é que Jesus renunciou a tudo para estar com os seres humanos. Ele, juntamente com o Pai e o Espírito, era adorado por anjos e arcanjos, e sempre esteve sentado em um trono celestial. Só podemos ter um vislumbre da glória que Cristo desfrutava juntamente com o Pai antes da fundação do mundo. Entretanto, a fim de salvar a humanidade, Jesus renunciou a tudo isso. Por isso que Cristo, sempre ao chamar alguém para segui-lo, advertia tal pessoa que deveria renunciar a tudo, pois ele, o próprio Jesus, já havia renunciado a tudo também. Ninguém na história renunciou tanto quanto Jesus renunciou.

A segunda característica do ministério de Jesus foi a sua identificação com os seres humanos,suas criaturas. Jesus se tornou homem, se tornou um de nós. Ele foi o primeiro a fazer de tudo para que, de todos os meios, pudesse vir a salvar alguns. Um dos grandes diferenciais do cristianismo é justamente esse. Deus não envia simplesmente um livro para o seu povo e manda obedecer uns mandamentos. Não! Ele se torna um de nós! Por isso, ele sabe o que é sofrer e padecer, pois se identificou com a nossa condição! Assim também nós, em nossa missão, precisamos nos identificar com aqueles que serão alvo e objeto de nosso amor em Cristo Jesus. Não trabalhamos distantes, mas sim lado a lado com as pessoas!

A terceira característica do ministério de Cristo é que ele se torna um servo! Veja. Nós, de vez em quando, fazemos alguns serviços. Mas Jesus não. Ele, além de ter se esvaziado e tornado em figura humana, agora assume a CONDIÇÃO de servo, que é algo bem diferente. Ele vive como servo de todos, se coloca abaixo de todos! Isso me fez lembrar a história de missionários morávios que, em um determinado momento de seus ministérios, venderam-se a si mesmos como escravos, para que pudessem evangelizar outros escravos. Ou seja, um servo não apenas realizar obras de serviço, mas assume uma condição de servo!

Outra característica do ministério e Jesus é a sua humildade! Ele humilhou-se a si mesmo! Ser humilde é reconhecer a dependência que tem de Deus, que por si mesmo nada pode. Assim foi a vida de Jesus, em constante dependência do Pai, vivendo constantemente em oração, por longos períodos. Ser humilde (da palavra húmus, terra) é reconhecer sua humanidade, fragilidade, sua vulnerabilidade, sua dependência, tanto de Deus quanto de outras pessoas. Não raras vezes, Jesus expressou sua humildade, não somente diante do Pai, mas também diante dos homens. Não somos melhores que Cristo! Precisamos reconhecer nossa dependência, tanto de Deus quanto da comunidade de irmãos!

E finalmente, uma outra característica do ministério de Jesus, é que ele foi tremendamente marcado pela cruz! Jesu foi o único homem que nasceu com o objetivo de morrer! Ou melhor, nasceu com o objetivo de dar a sua vida! Ele deu sua vida por todos nós! Ele carregou a sua cruz! Assim também ele determina que todos os que querem segui-lo, também deverão carregar a sua cruz! Não podemos nos esquecer que quando Jesus disse essas palavras, a cruz não era um símbolo religioso, mas sim um instrumento de tortura e de dor. Ninguém tem maior amor do que esse, o de dar a sua vida por amor aos seus amigos!

Por conta de tudo isso, Deus, o Pai, ressuscitou Jesus e lhe deu um nome que está acima de todo o nome, e todo joelho, seja na terra ou debaixo da terra, se dobrarão ante ele e toda a língua confessará que Jesus Cristo é o Senhor! Veja bem, todo o joelho, sem nenhuma exceção, todos o reconhecerão como Senhor, para a glória de Deus Pai! Daí, estar com Cristo hoje é garantia da permanente vitória em nossas vidas.

Que o Senhor nos ajude a ter um ministério inspirado em sua própria vida!