quinta-feira, 12 de setembro de 2013

Somente Ele e o silêncio

"Somente em Deus, ó minha alma, espera silenciosa; dele vem a minha salvação" (Salmo 62.1).

Vivemos em uma sociedade relativamente esclarecida, mas fico estarrecido como a maioria das pessoas ainda colocam a sua confiança em alguém que não seja Deus.

Olhamos ao nosso redor, e há confiança em toda espécie de coisas. Amuletos, fórmulas quase mágicas, superstições, astros, gnomos, etc. Incrível como o homem natural se cerca destes apetrechos. A maioria de nós foi assim um dia. Um intelectual inglês disse certa vez que, o problema de não se acreditar em Deus, não é pelo fato de que a partir daí as pessoas não acreditariam em mais nada, e sim que, por conta de que com tal descrença, elas passariam a acreditar em tudo. O que é interessante é que estes apetrechos religiosos podem ser controlados por quem os manipula. Mas Deus ninguém consegue manipular, por isso Ele, o verdadeiro Deus, é tão impopular...

Podemos então ver, constantemente, os olhinhos de alguns brilhando a cada fórmula mágica, a cada novo amuleto, a cada novidade mística, a cada brinquedinho...

Entretanto, o salmista nos convida a confiar unicamente em Deus. Se Deus é a fonte de  todo o bem e de toda a vida, para que nos acercarmos de tantas outras coisinhas? Para que se acercar daquilo que não pode matar a fome e nem a sede? É isso que procuro explicar, com bastante carinho e cuidado aos que estão ao meu redor, e ainda não experimentaram esta segurança em Deus.

Mas voltando ao salmos, o interessante é que o salmista dá uma ordem à sua alma para que espere silenciosamente. Não adianta ficar esperneando, ficar reclamando, falando sem parar com os homens. Não é  deles que vem a salvação. Vem de Deus. A busca das consolações humanas pode ter o condão de afastar a consolação que vem do Senhor. Somente dele vem a salvação.

Depois o salmista continua:

"Somente em Deus, ó minha alma, espera silenciosa, porque dele vem a minha esperança" (Sl 62.6).

Neste tempo de tanta correria e barulho, seja na rua, seja em casa, e até mesmo nas nossas celebrações, o salmista nos convida a não desperdiçar nossa energia com muitas palavras, mas esperar em silêncio. É dele que vem a nossa esperança. Tanto os evangélicos, mas creio que também os católicos, neste dias, têm corrido o risco de perderem o silêncio na sua dimensão contemplativa. Somos roubados o tempo todo do nosso ser, e temos que tentar impedir que isso aconteça. É bom então, procurar separar um tempo, para estar em silêncio na presença de Deus.