quarta-feira, 22 de abril de 2015

Cristãos de países livres e a Igreja Perseguida

foto: http://blogs.odiario.com/inforgospel/

Tivemos conhecimento de uma nova execução realizada pelo Estado Islâmico contra cristãos, agora da grande Igreja Ortodoxa Etíope.

Como nós cristãos de países, pelo menos em tese, com liberdade religiosa, deveríamos viver diante da perseguição sofrida pelos nossos irmãos em muitos lugares deste mundo?

Primeiramente, temos que buscar conhecimento de todas estas ocorrências. Não podemos nos concentrar somente com o que ocorre em nossa denominação, cidade, estado ou país. Fazemos parte de um movimento mundial que proclama Jesus Cristo como Salvador de toda a humanidade. Para tanto, temos que nos informar não somente pela grande mídia, mas também pelas mídias especializadas, agências missionárias, ou mesmo contato com pessoas que trabalham ou residem em tais localidades. Indico aqui a obra Perseguidos, que trata da perseguição sofrida pelos cristãos em escala global.

Com base em tal conhecimento, precisamos orar pelos nossos irmãos, assim como a igreja orou por Pedro quando este estava preso. Orar incessantemente. Orar com nossa igreja. Divulgar e pedir oração aos cristãos que conhecemos. 

Também precisamos divulgar tais perseguições, conforme nossa possibilidade. De modo geral, a mídia não cobre como deveria tais acontecimentos. Entretanto, grupos independentes, como a Portas Abertas se especializaram em cobrir tal tipo de assunto. Precisamos divulgar porque é fácil acabarmos nos esquecendo diante do cotidiano de nossa vida.

Precisamos apoiar quem trabalha no campo missionário. Nos informar, seja na nossa igreja, ou seja em outra denominação, ou mesmo agência missionárias, de que modo podemos ajudar, seja contribuindo, seja escrevendo cartas, ou mesmo visitando tais lugares quando possível. Indico aqui o perfil do facebook de Raquel Elana, que trabalha como missionária na Síria e está realizando um projeto bem bacana de um documentário acerca dos acontecimentos locais.

Algo muito importante que talvez não nos damos conta quando se diz acerca de trabalho missionário é que nós devemos fortalecer a igreja local, a igreja urbana. Isto porque nós não estamos imunes dos fatores que podem ensejar uma perseguição mesmo em nossas terras. Fatores ideológicos, políticos, econômicos, ou mesmo religiosos podem se voltar contra a igreja. Precisamos estar atentos quanto a isso. E uma igreja urbana, forte, além de resistir, poderá apoiar a obra missionária. Temos que ser uma igreja forte, ativa e militante.

Deveríamos tentar ajudar diretamente as igrejas que estão no meio de tais acontecimentos. Para tanto, será preciso um verdadeiro diálogo entre os cristãos ortodoxos, católico romanos e evangélicos, pois todos acabam sofrendo com tais ocorrências. 

A perseguição aos cristãos deve nos fazer refletir profundamente quanto ao nosso próprio estilo de vida, nossos valores. Será que enquanto cristãos podemos genuinamente nos considerar discípulos se levarmos uma vida somente voltada para nós mesmos, para o acúmulo de bens, cargos, e para a nossa própria felicidade. Não que tais coisas sejam erradas em si, tão somente não podem ser o nosso foco principal.

Por fim, devemos nos lembrar de que desejamos não somente o fim da perseguição religiosa contra os cristãos (grupo, creio eu, majoritariamente perseguido), entretanto, o fim de qualquer perseguição religiosa. O primeiro direito que veio dar suporte para os demais foi o da liberdade religiosa. Sem tal liberdade não se pode dizer que se está em um país que respeita os direitos humanos.