terça-feira, 19 de maio de 2015

As marcas dos cravos continuam



Mesmo após a morte e ressurreição de Cristo, mesmo após ele ter estado junto ao Pai, as marcas dos cravos continuaram em seu corpo. Daí, os discípulos terem tido a possibilidade de tocá-las.

Assim também é em nossa nova vida com Cristo Jesus.

Muitos acham que "a marca dos cravos" deixam de existir.

Será?

Morremos e ressuscitamos com Cristo, segundo as Escrituras (Romanos 6). Recebemos um novo Espírito que clama Abba Pai em nós (Romanos 8).

Mas as marcas dos cravos ainda estão lá... Elas não se vão... É possível "vê-las", "tocá-las", "senti-las"...

São as marcas dos sofrimentos, das dores pelas quais passamos nesta vida. De toda angústia e dor, merecidas ou não.

Ressuscitar para uma nova vida não significa esquecimento das dores, nem o apagar das marcas, mas sim, uma nova forma de enxergá-las e lidar com elas. Mesmo em meio a toda a angústia, sofrer depois de ressurreto, com uma nova vida em Cristo, não terá o mesmo sabor de morte e desespero que havia antes, pois conhecemos o Espírito que nos consola. Isto nos torna mais fortes e confiantes. E tais marcas servirão de experiência para consolar a vida de outros.

Encare toda a sua experiência anterior (ou mesmo posterior) à conversão como uma grande escola pela qual você passou, e que te aproximou mais do seu Senhor, bem como do teu próximo, para que a experiência do amor possa se efetivar através de tua existência. 

A marca dos cravos podem estar lá. Mas a ressurreição superou toda mágoa e toda dor.