segunda-feira, 25 de maio de 2015

O que aprendemos do pecado de Davi?


“Então disse Davi a Natã: Pequei contra o Senhor...” (I Samuel 12.13).

Davi era um grande rei. Desde menino foi chamado por Deus para tal ministério. Lutou bravamente contra Golias quando era jovem. Venceu batalhas. Foi odiado por Saul mas nunca levantou sua mão contra o “ungido do Senhor”. Não tomou o trono pela força, mas esperou pacientemente o cumprimento da promessa feita por Deus.

Ocorre que em determinada ocasião, já rei, quando deveria estar na batalha, preferiu descansar e se distrair. Viu de sua janela uma bela mulher, questionou aos seus serviçais quem era, e mesmo advertido que era casada com um de seus homens mais fiéis, deu suas ordens e se deitou com ela.

Noticiado de que tal mulher engravidara, mandou chamar o marido dos campos de batalha e tentou provocar um encontro entre o casal. Urias recusou deitar com sua mulher em solidariedade aos seus companheiros de batalha. Frustrado o plano do rei, este determina que Urias fosse abandonado na linha de frente do campo de batalha. Com o marido morto, Davi poderia agora tomar Bate-Seba como esposa, e ainda passar por homem generoso. 

Natã, um profeta da corte, conta então uma estória para o rei. Era a estória de um homem rico, que tinha muitos animais, mas tomou a única cordeirinha de um homem pobre para oferecer a uma visita. Davi, achando que estava a julgar um caso comum, bradou que tal homem deveria ser condenado. O arguto Natã disse a Davi: “tal homem és tu”! E joga na cara do rei a bobagem que ele fez, de como foi abençoado por Deus e poderia ter a mulher que quisesse, mas que preferiu tomar a esposa de seu soldado fiel, e ainda o matara. Adúltero, ladrão e assassino, eis o veredicto. O que podemos aprender deste relato bíblico? 

Primeiramente, não podemos endurecer os nossos corações contra a advertência de um homem de Deus. É bem verdade que Natã, o profeta, foi muito sábio ao confrontar Davi fazendo com que este mesmo se auto condenasse. Entretanto, uma vez pego em seu ardil, Davi não se justificou, nem resistiu. E isto poderia ter ocorrido? Certamente que sim. Muitos anos depois, o rei Asa, quando confrontado com o seu erro pelo profeta Hananias (2 Crônicas 16.7-9), além de resistir, colocou o profeta na prisão e o amarrou em um tronco. E o rei Asa, que no início de sua carreira foi tão bem-sucedido e próspero, viveu o resto de seus dias miseravelmente. 

Em segundo lugar, Davi se arrependeu de seu pecado. Caiu em si. Reconheceu que pecou terrivelmente contra Deus. Não justificou o seu erro. Entregou-se ao julgamento de Deus. E imediatamente o pecado do rei foi perdoado. Grande a misericórdia deste Deus, que perdoou um assassino e ladrão (sim, ladrão, pois roubou a mulher de seu próximo). Daí, podemos acreditar que, se nos arrependermos de nossos pecados, Ele é fiel e justo para nos perdoar. 

Terceiro, Davi fez de tudo para livrar o seu filho com a mulher de Urias da morte. Este foi o juízo do Senhor. Que aquela criança não viveria. Entretanto, Davi apostou todas as suas fichas na misericórdia de Deus. Ele acreditava que poderia fazer Deus mudar de ideia. Lutou até o fim. Assim nós, da melhor forma possível, temos que nos esforçar para livrar as pessoas que amamos das terríveis consequências de nossos próprios pecados. Alguns entendem que até isso foi um ato da misericórdia de Deus, pois faria com que aquele casal sempre se lembrasse do crime de sangue que havia sido cometido. 

Por último, aprendemos que não devemos nos desviar de nossa missão, de nossa vocação. Davi foi chamado para lutar as batalhas do Senhor. Não era para ele estar descansando em seu palácio, “assistindo” as janelas e se distraindo. As distrações deixam o coração vulnerável, fortalece a carne, e diminui o nosso poder de vigiar. Se Davi estivesse no campo de batalha, nada disso teria ocorrido. Jamais devemos nos desviar de nossa vocação, nem deixar que outros lutem nossas batalhas.

Leia também:

O sono da morte



Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...