quarta-feira, 7 de maio de 2008

A Igreja histórica e a Igreja da Fé

Por Gederson Falcometa Zagnoli Pinheiro de Faria

Fala-se muito do Cristo histórico e do Cristo transfigurado pela fé. Evidentemente esta dualidade se refletiu e se refleti na Igreja, onde também temos a Igreja histórica e a Igreja da Fé. A ciência e a sociedade moderna consideram à Igreja apenas humana. Onde, ela e é julgada apenas por critérios humanos, por todos, porque poucos atualmente conhecem a fé cristã. Trata-se da Via Crucis da Igreja.

Atualmente podemos dizer que quase ninguém conhece o que é a Igreja. Isto deduz-se pelas notórias diferenças dos períodos históricos da Igreja para o nosso. Nunca houve um período na história da Igreja onde se supervalorizou a liberdade como se ela fosse uma deusa. Na Igreja Primitiva, ainda no ano de 96 d.c., São Clemente de Roma, dizia aos cristãos de Corinto, "cada qual seja submisso a seu próximo segundo o Dom que DEUS he deu." Hoje a palavra submissão faz tremer e estremecer qualquer fiel da nossa Igreja moderna. Como ele poderá então desenvolver a própia salvação com temor e tremor (Fl 2,12) ?

A morte dos primeiros cristãos, é tida como uma morte pela liberdade e não propiamente um martírio da fé. Tudo atualmente é visto sobre o ponto de vista da igualdade, fraternidade e liberdade. Pontos de vista que invadiram a Igreja de tal modo, que cada um considera-se membro da Igreja Local. O que acaba fazendo desta Igreja uma Igreja Particular e Independente em relação a Igreja Universal. Cada um considera-se não mais como membro do corpo de Cristo, mas sozinho o própio corpo de Cristo. Nada semelhante encontra-se em toda história da Igreja.

A Igreja humana não crê no Espírito Santo, por isso estuda aquilo que envolve o cristianismo. Não quer acreditar no Consolador, prefere acreditar na ciência moderna, ela quer buscar provas, para acreditar nas provas, não em DEUS. Hoje aquilo que era tido como certo, é objeto de fé e aquilo que era tido como duvidoso, tornou-se como certo. Todos tem convicção que podem construir o reino de DEUS, através de Repúblicas, não é estranho? Como pode um rei reinar em um República?

O humanismo transfigura a Igreja de Cristo em humana, e não são poucos que seguem esta transformação. Fornecedora das principais razões para eles crerem nas supostas atrocidades cometidas pela Igreja. A suprema lei desta Igreja é a salvação dos corpos e a implantação da Cidade do Homem. Enquanto a suprema lei da Igreja é a salvação das almas e a implantação da Cidade de DEUS.

Hoje raramente se fala em alma nas Igrejas, fala-se mais na dignidade da pessoa humana, salvam-se os corpos e a vida fisíca, por isso tanta preocupação com a sociedade. É uma Igreja Materialista e Atéia, porque de um certo modo se Cristo morreu para salvar a alma humana, ele visava resgatar a própia dignidade humana. Se a pessoa humana é digna independentemente de Cristo, qual foi o valor objetivo de sua obra para o ser humano ?

A porta que conduz a salvação, era estreira, mas atualmente ela parece ter se tornado como a porta que conduz a perdição; larga e espaçosa. Se a Igreja é humana, ela é a própia humanidade, o própio mundo. Logo ela caminha segundo seus passos e ordenanças e a verdade evolui. Porém se a porta é estreita, ela comete a atrocidade de não deixar que todos passem pela porta.