segunda-feira, 23 de junho de 2014

O filho sábio e o insensato

O filho sábio alegra a seu pai, mas o filho insensato é a tristeza da sua mãe (Provérbios 10.1)

Este é um provérbio que se verifica na prática, no dia a dia.
 
De uma mesma casa podemos extrair os dois exemplos. Um, de um filho que alegra o pai; outro, que entristece sua mãe.
 
Um deles é esforçado e trabalhador desde a mais tenra idade. Acorda cedo. Dorme tarde. É estudioso. Com o fruto daquilo que recebe, ajuda os pais.
 
O outro desde sempre não gosta muito de trabalhar. É ligado a prazeres. Muitas vezes, em vícios. É descompromissado, não para em nenhum emprego. Não dá satisfação em nada do que faz.
 
Por conta das atitudes deste segundo filho, os pais (a mãe principalmente) mal conseguem dormir. Muitos vivem até em estado de terror e angústia. Há filhos que até ameaçam.
 
Existe fórmula para resolver este tipo de embate? Não necessariamente. Somente a fé, o amor e a esperança. Com este aliados, se supera qualquer dificuldade.
 
Não adianta carregar complexo de culpa também. Há um momento na vida que cada qual parece fazer suas próprias escolhas. E alguns, sucumbem diante de seu próprio pecado.
 
Embora imagino que seja muito difícil, é importante os pais não se matarem por conta de um filho assim. É preciso amor, compreensão, carinho, e acima de tudo muita fé. Muitos anos podem levar, mas com a ajuda de Deus, muitos se recuperaram em suas transgressões e verdadeiramente mudaram de vida, voltando a alegrar os pais.
 
De qualquer modo, fica sempre um alerta para os pais. As Escrituras Sagradas nos dão determinados parâmetros, princípios para educarmos nossos filhos, e o maior deles, creio, além da fé e de nossas orações são o nosso companheirismo. Desviando-nos de polêmicas acerca de castigos corporais ou não, penso que a principal informação que extraímos do ensino divino é o próprio exemplo e o companheirismo. Companheirismo não no sentido de ser um amigão debochado. Ele precisa aprender acerca de autoridade e respeito. Isso fará bem a ele. Mas companheirismo no sentido de saber que também tem ao lado um amigo, um companheiro. Alguém que o ama e que dá a vida por ele. Que o ensina o tempo todo que tem oportunidade. E que estará sempre ao seu lado.
 
Um famoso pedagogo foi perguntado acerca do método que utilizou para educar seu filho. Ele respondeu: acho que nenhum; eu apenas vivi ao seu lado.

sábado, 21 de junho de 2014

Iniquidade no coração

Se eu tivesse guardado iniquidade no meu coração, o Senhor não me teria ouvido (Salmo 66.18)

Não podemos guardar a iniquidade no coração.

Nossas vidas têm que estar puras na presença do Senhor.

Há muitos que gostam de colecionar pecadilhos, capas de Acã, venenos na alma e não mudarem de atitude quanto a isso.

Pois é justamente esta teimosia que faz com que tais pessoas não sejam ouvidas por Deus.

Tive um amigo que fazia coleção de coisas iniquas, e que dizia que  iria guardar de recordação para o seu filho. Quando lhe brilhou a luz do evangelho, ele jogou tudo fora.

Assim tem que ser também as nossas vidas. Temos que jogar fora tudo o que mancha, macula o nosso coração, pois é dele que procedem as fontes de toda a nossa vida.

Limpe o teu coração, pecador, e lave-se no sangue do Cordeiro, que te purifica de todos os teus pecados.

Não admita que nenhuma iniquidade te domine. Foge de coisa impura!

Então o Senhor te ouvirá, e a luz do Santo brilhará sobre tua vida!

Significa isso que seremos perfeitos e impecáveis? Claro que não. Mas devemos nos esforçar para que nenhuma iniquidade faça morada em nossas vidas.

Como disse Lutero certa vez: não posso impedir que os abutres voem sobre minha cabeça, mas posso impedir que eles façam ninhos.

sexta-feira, 6 de junho de 2014

Pode um cristão participar de uma greve?



 
Tendo em vista tantas manifestações grevistas ocorrendo atualmente, alguém me perguntou se é lícito a um cristão participar de greves, como, por exemplo, no caso dos metroviários que está ocorrendo neste momento em São Paulo.
 
Sinceramente, não creio que existe uma resposta absoluta para tal questionamento. Cada caso deverá ser avaliado individualmente. Alguns entendem que, ainda que por analogia, a recusa do povo de Israel em continuar trabalhando para Faraó de algum modo poderia servir como inspiração para as paralisações. Outros, dizem que isso é forçar a barra.
 
Creio que um cristão tem o direito de se rebelar contra atitudes abusivas, injustas, escravagistas, discriminatórias, ou coisa do tipo, ainda que o deva fazer de forma pacífica. Creio que o cristão pode e deve participar de passeatas, manifestações, ou coisas do tipo, quando, conforme sua consciência, e em confrontação com a Palavra de Deus, sejam causas justas (sem embargo de podermos estar equivocados em nossas avaliações  do que seria ou não justo ou injusto). Entretanto, sinto ter que responder para alguns que a regra geral para a vida do cristão, no que tange  a este assunto, é a de não participar de greves, notadamente quando tal paralisação for prejudicar ainda mais pessoas.
 
Creio que essa seria a determinação apostólica. O apóstolo Paulo ensinou que devemos servir os nossos senhores na carne como se estivéssemos servindo ao próprio Cristo, na sinceridade do nosso coração (Efésios 6.5). Pedro ainda disse que os cristãos devem servir aos seus senhores, com todo o temor, não somente aos bons e cordatos, mas também aos perversos, porque isso é grato a Deus, que alguém suporte tristezas, sofrendo injustamente, por motivo de sua consciência para com Deus (I Pedro 2.18). E estamos aqui a  falar do ensino de dois dos maiores apóstolos da fé cristã. Acho muito difícil conciliar estes ensinamentos, e ainda muitos outros, com a possibilidade indiscriminada de se participar de movimentos grevistas.
 
O cristão não trabalha primeiramente para si mesmo, e sim para a glória de Deus. Ele tenta transformar o mundo pelo seu testemunho de amor, pelas orações, e claro, também pela sua palavra profética, quando isso implicar em denunciar atitudes abusivas e injustas. É também no sofrimento injusto e resignado que o cristão tem a oportunidade de se identificar com a vida de seu mestre. Motivações puramente egoístas não devem estar na ordem do dia de um discípulo.

terça-feira, 15 de abril de 2014

Bem aventurados os perseguidos por causa da justiça


Ministrado na congregação Manaim em Guaianazes. Gravado por um gentil amigo que voluntariamente tem se dedicado a tal ministério.

sexta-feira, 14 de março de 2014

A agonia de Esdras

video

Esta mensagem foi ministrada na Igreja Evangélica Manaim, em setembro de 2013, em  uma vigília acerca do tema avivamento. Cuida-se de uma pregação acerca do desespero do sacerdote Esdras, quando soube que o povo de Judá estava voltando a cometer os mesmos erros de antes do cativeiro babilônico. A qualidade da gravação não está muito boa, mas ainda assim, é possível ouvi-la, desde que se não aumente muito o volume.

sábado, 22 de fevereiro de 2014

Promessas aos que oram

Vida de oração


Existem promessas incríveis que o Senhor faz aos seus discípulos para que eles tenham uma vida de oração. É como se tivéssemos uma herança da qual não nos apropriamos. Vamos ver algumas delas:

1 – Jesus disse que ele faria tudo o quanto fosse pedido em seu nome, para que o Pai seja glorificado no Filho:

12 Em verdade, em verdade vos digo: Aquele que crê em mim, esse também fará as obras que eu faço, e as fará maiores do que estas; porque eu vou para o Pai;
13 e tudo quanto pedirdes em meu nome, eu o farei, para que o Pai seja glorificado no Filho.
14 Se me pedirdes alguma coisa em meu nome, eu a farei. (JOÃO 14.12-13)

Ou seja, estas orações, atendidas pelo Senhor, devem estar focadas para a glória do Pai.

2 – Se as palavras de Jesus permanecerem em nós, poderemos pedir o que quisermos, e nos será feito:

7 Se vós permanecerdes em mim, e as minhas palavras permanecerem em vós, pedi o que quiserdes, e vos será feito (João 15.7).

Isso quer dizer que a vida de oração está intimamente ligada ao permanecer na palavra de Cristo. 

3 – Se o nosso fruto permanecer, temos também a garantia da resposta de nossas orações:

16 Vós não me escolhestes a mim mas eu vos escolhi a vós, e vos designei, para que vades e deis frutos, e o vosso fruto permaneça, a fim de que tudo quanto pedirdes ao Pai em meu nome, ele vo-lo conceda (João 15.16).

4 – Temos que pedir ao Pai, no nome de Jesus:

23 Naquele dia nada me perguntareis. Em verdade, em verdade vos digo que tudo quanto pedirdes ao Pai, ele vo-lo concederá em meu nome.
24 Até agora nada pedistes em meu nome; pedi, e recebereis, para que o vosso gozo seja completo (João 16.23).

Pedir em nome de Cristo é, segundo entendo, pedir em Cristo, revestido d’Ele, pedir segundo a vontade do Pai.

5 – Jesus ressalta que o amor do Pai é tão grande por nós que parece quase dispensar a intercessão de Cristo:

26 Naquele dia pedireis em meu nome, e não vos digo que eu rogarei por vós ao Pai;
27 pois o Pai mesmo vos ama; visto que vós me amastes e crestes que eu saí de Deus (João 16.26-27).

6 – Jesus ensina a insistência como base de uma vida de oração, e a garantia de sua resposta:


7 Pedí, e dar-se-vos-á; buscai, e achareis; batei e abrir-se-vos-á.
8 Pois todo o que pede, recebe; e quem busca, acha; e ao que bate, abrir-se-lhe-á.
9 Ou qual dentre vós é o homem que, se seu filho lhe pedir pão, lhe dará uma pedra?
10 Ou, se lhe pedir peixe, lhe dará uma serpente?
11 Se vós, pois, sendo maus, sabeis dar boas dádivas a vossos filhos, quanto mais vosso Pai, que está nos céus, dará boas coisas aos que lhas pedirem? (Mateus 7.7-11)

7 – Ele ensina que temos que pedir com fé:

21 Jesus, porém, respondeu-lhes: Em verdade vos digo que, se tiverdes fé e não duvidardes, não só fareis o que foi feito à figueira, mas até, se a este monte disserdes: Ergue-te e lança-te no mar, isso será feito;
22 e tudo o que pedirdes na oração, crendo, recebereis (Mateus 21.21-22).

Se pedirmos em nome de Cristo,  revestidos de Cristo, e segundo a Palavra de Cristo, oraremos segundo a sua mente, e não faremos pedidos egoístas a nosso respeito, mas  tudo o quanto desejarmos, será para a glória de Deus!

Depois de tantas promessas como essas, nada mais nos resta senão orar! 

Motivos para orarmos!



Orai sem cessar. 1 Tessalonicenses 5:17

Vigiai e orai, para que não entreis em tentação; na verdade, o espírito está pronto, mas a carne é fraca. Mateus 26:41



Há muitos motivos bíblicos para termos uma vida de oração. Orar não é um conselho, uma sugestão nas Escrituras. Orar é um mandamento, seja do Senhor, seja dos santos apóstolos. Portanto, é uma questão primeiramente de obediência. É um dos meios de graça que o Senhor determinou para se relacionar com seus filhos. É um modo de comunicação e comunhão. É um privilégio para todos os que têm fé em seu nome. Uma graça que está alicerçada na graça, na onipotência, onisciência e onipresença divinas, bem como em todos os seus demais atributos. Vamos ver alguns motivos para estarmos orando neste novo ano que se inicia:


MOTIVOS PARA ESTARMOS SEMPRE ORANDO:

1 – Antes de uma decisão importante:
E aconteceu que naqueles dias subiu ao monte a orar, e passou a noite em oração a Deus.
E, quando já era dia, chamou a si os seus discípulos, e escolheu doze deles, a quem também deu o nome de apóstolos 

2 – Para pedir poder espiritual:
Agora, pois, ó Senhor, olha para as suas ameaças, e concede aos teus servos que falem com toda a ousadia a tua palavra;
Enquanto estendes a tua mão para curar, e para que se façam sinais e prodígios pelo nome de teu santo Filho Jesus.
E, tendo orado, moveu-se o lugar em que estavam reunidos; e todos foram cheios do Espírito Santo, e anunciavam com ousadia a palavra de Deus.Atos 4:29-31

3 – Para pedir sabedoria a Deus:
E, se algum de vós tem falta de sabedoria, peça-a a Deus, que a todos dá liberalmente, e o não lança em rosto, e ser-lhe-á dada.
Peça-a, porém, com fé, em nada duvidando; porque o que duvida é semelhante à onda do mar, que é levada pelo vento, e lançada de uma para outra parte.
Não pense tal homem que receberá do Senhor alguma coisa.
O homem de coração dobre é inconstante em todos os seus caminhos.

4 – Para interceder por todos os irmãos:
Tomai também o capacete da salvação, e a espada do Espírito, que é a palavra de Deus;
Orando em todo o tempo com toda a oração e súplica no Espírito, e vigiando nisto com toda a perseverança e súplica por todos os santos,Efésios 6:17-18

5 – Para interceder pela liderança espiritual:
E por mim; para que me seja dada, no abrir da minha boca, a palavra com confiança, para fazer notório o mistério do evangelho,

6 – Em momentos de grande agonia:
Então chegou Jesus com eles a um lugar chamado Getsêmani, e disse a seus discípulos: Assentai-vos aqui, enquanto vou além orar.
E, levando consigo Pedro e os dois filhos de Zebedeu, começou a entristecer-se e a angustiar-se muito.
Então lhes disse: A minha alma está cheia de tristeza até a morte; ficai aqui, e velai comigo.Mateus 26:36-38

7 – Pela paz e salvação de todos os homens:
Admoesto-te, pois, antes de tudo, que se façam deprecações, orações, intercessões, e ações de graças, por todos os homens;
Pelos reis, e por todos os que estão em eminência, para que tenhamos uma vida quieta e sossegada, em toda a piedade e honestidade;
Porque isto é bom e agradável diante de Deus nosso Salvador,
Que quer que todos os homens se salvem, e venham ao conhecimento da verdade.


Existem muitos outros motivos. Não podemos de modo algum negligenciar o ministério da oração, que é provavelmente o ministério mais importante da igreja.

Ele ressuscitou!

Porque Ele vive posso crer no amanhã


PORQUE ELE VIVE NÓS TEMOS VITÓRIA SOBRE A MORTE!
I Coríntios 15.58
Tragada foi a morte pela vitória!
Onde está, ó morte, a tua vitória?
O aguilhão da morte é o pecado, e a força do pecado é a lei.
Graças a Deus que nos dá a vitória por intermédio de nosso Senhor Jesus Cristo.


PORQUE ELE VIVE SABEMOS QUE ELE INTERCEDE POR NÓS!
Romanos 8.33-34:
Quem atentará acusação contra os eleitos de Deus? É Deus quem os justifica. Quem os condenará? É Cristo Jesus quem morreu, ou antes, quem ressuscitou, o qual está à direita de Deus, e também intercede por nós.


PORQUE ELE VIVE SABEMOS QUE TEMOS UM ADVOGADO JUNTO AO PAI
I João 2.1-2:
Filhinhos meus, estas cousas vos escrevo para que não pequeis. Se todavia alguém pecar, temos Advogado junto ao Pai, Jesus Cristo, o justo.


PORQUE ELE VIVE PODEMOS TER A CERTEZA DA FILIAÇÃO DIVINA:
Romanos 8.15:
Porque não recebestes o espírito de escravidão para viverdes outra vez atemorizados, mas recebestes o espírito de adoção, baseados no qual clamamos “Aba Pai”.
João 1.12:
Mas a todos quanto o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, a saber, aos que creem no seu nome!


PORQUE ELE VIVE RECEBEMOS O ESPÍRITO SANTO DE CRISTO PARA NOS CONSOLAR E GUIAR:
João 16.7:
Mas eu vos digo a verdade. Convém que eu vá, porque se eu não for, o Consolador não virá para vós outros; se porém, eu for, eu vo-lo enviarei.
Romanos 8. 14:
Pois todos os que são guiados pelo Espírito de Deus, são filhos de Deus.


PORQUE ELE VIVE AGORA VIVEMOS NÃO MAIS PELO DESESPERO, ANSIEDADE, MAS PELA ESPERANÇA.
1 Pedro 1.3:
Bendito o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo que, segundo a sua muita misericórdia, nos regenerou para uma viva esperança mediante a ressurreição de Jesus Cristo dentre os mortos.


PORQUE ELE VIVE TEMOS A CERTEZA DE UMA VIDA ABUNDANTE NOS CÉUS.
Apocalipse 7.16:
Jamais terão fome, nunca mais terão sede, não cairá sobre eles o sol, nem ardor nenhum, pois o Cordeiro que se encontra no meio do trono os apascentará e os guiará pra as fontes de água da vida. E Deus lhes enxugará dos olhos toda a lágrima.


Porque Ele vive...
Posso crer no amanhã...
Porque Ele vive, temor não há.
Mas eu bem sei, eu sei, que a minha vida....
Está nas mãos, do meu Jesus, que vivo está!...

As Marcas das Escrituras Sagradas

Dia da Bíblia

(esboço baseado na pregação do Pr. Clóvis, da Igreja Presbiteriana, pregada na Igreja Evangélica Manaim, em 08 de dezembro de 2014, dia da Bíblia).

1ª marca: FIDELIDADE (credibilidade) – “Fiel é esta palavra, e digna de toda a aceitação” (1 Timóteo 1.15a). “Toda a Escritura é inspirada por Deus”(2 Timóteo 3.16a). “Se alguém quiser fazer a vontade do dele, conhecerá a respeito da doutrina, se ela é de Deus ou se eu falo por mim mesmo” (João 7.17). A Bíblia tem fidelidade, pois foi Deus quem a inspirou. É o próprio Senhor que a garante, e Ele é fiel.

2ª marca: INTEGRALIDADE – “Pois tudo o que outrora foi escrito, para o nosso ensino foi escrito” (Romanos 15.4a). “Toda a Escritura é inspirada por Deus” (2 Timóteo 3.16a). “São estas as palavras que eu vos falei, estando ainda convosco, que importava se cumprisse tudo o que de mim está escrito na Lei de Moisés, nos Profetas e nos Salmos” (Lucas 24.44). Não podemos desprezar nenhuma parte das Escrituras Santas. Não temos o direito de escolher nossas partes preferidas e desprezar as demais.

3ª marca: FINALIDADE – “Pois tudo quanto outrora foi escrito, para o nosso ensino foi escrito, a fim de que, pela paciência e pela consolação das Escrituras, tenhamos esperança”. (Rm 15.4a).  A Escritura te ensina e te dá paciência e consolação que te leva a ter esperança. Ou seja, ela nos transforma interiormente.

4ª marca: ATUALIDADE – “Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção, para a educação na justiça, a fim de que o homem seja perfeito e perfeitamente habilitado para toda boa obra” (2 Timóteo 3.16-17). Só pode ser útil o obreiro que se dedica ao estudo das Escrituras. Nenhum obreiro será útil se não estudar profundamente a Bíblia.

QUAIS AS NOSSAS ATITUDES EM RELAÇÃO À BÍBLIA?

Ter uma RELAÇÃO VIVA com as Sagradas Escrituras: “Não cesses de falar deste livro da lei; antes medita nele dia e noite para que tenhas o cuidado de fazer segundo tudo o quanto nele está escrito, então farás prosperar o teu caminho e será bem sucedido” (Josué 1.8). Veja. Há três verbos: falar, meditar e fazer. Quando praticamos estes três verbos, aprendemos melhor qualquer coisa. 

E há uma promessa: farás prosperar o teu caminho e será bem sucedido.

“Antes, o seu prazer está na lei do Senhor, e na sua lei medita dia e noite. Ele é como árvore plantada junto a correntes de águas, que, no devido tempo, dá o seu fruto e cuja folhagem não murcha, e tudo quanto ele faz é bem sucedido” (Salmo 1.2-3). Ou seja, temos a promessa de que teremos sucesso, segundo Deus, em tudo o quanto fizermos em obediência à sua Palavra.


“Tornai-vos, pois, praticantes da Palavra, e não somente ouvintes, enganando-vos a vós mesmos” (Tiago 1.24). Não adianta somente ouvir, tem que praticar.

Bem aventurados os que choram


Palavra ministrada na Congregação Manaim em Guaianazes, gravada por um dos membros.