segunda-feira, 5 de maio de 2008

O progresso da iniquidade

Por Gederson Falcometa Zagnoli Pinheiro de Faria

Atualmente pode se dizer que as tradicionais tentações cristãs, tornaram-se sinônimo de preconceito. Logo ele, que é apenas parte do processo de conhecimento, tornou-se um jeito sútil para se denominar conceitos supostamente errados.

A razão e o juízo foram trocadas pela experiência e pelo sentimento como elementos determinantes de um conceito. Seria como se os preconceitos fossem conceitos em potência e os conceitos só pudessem ser formulados em ato. Desta maneira, para conceituar aquilo que você não prática, deverá praticar aquilo que conceitua. É bem estranho que existam apenas o preconceito e o conceito, não existem mais conceitos certos ou conceitos errados.

Um cristão falando sobre homossexualismo, por exemplo, será sempre um preconceituoso por não ter a experiência homossexual. Assim, modernamente falando, ele sequer pode pensar naquilo que conceitua. Primeiro ele deve fazer experiência e sentir, para depois pensar. É vedado ao cristão a liberdade de conceituar o homossexualismo. Será por que sua posição é racional e não sentimental?

Em se tratando da fé Cristã, todos os conceitos que possuímos sobre a tentação são metafísicos. Não precisamos experimentar a idolatria para saber que ela é má, não precisamos experimentar o homícidio para saber que ele é mal e não precisamos experimentar uma série de coisas para sabermos que elas são más. Necessitamos apenas crer em DEUS e compreender as razões pelas quais determinadas coisas devem ser evitadas para assim contemplarmos os juízos do altíssimo. Isto significa que devemos pensar para saber e para isto temos total liberdade.

A propaganda contra o preconceito, visa apenas coagir a liberdade de pensar, para que venhamos sentir para saber. Aceitando esta propaganda, nos converteremos em homens modernos e acabaremos querendo experimentar todas as coisas que nossa fé nos diz para evitar, para sabermos se de fato são um bem ou um mal. Porque se não experimentarmos diretamente, o que teremos serão apenas preconceitos.

Na mentalidade moderna, Nosso Senhor Jesus Cristo, teve apenas preconceitos contra Satanás quando por este foi tentado. Para ter um conceito sobre aquilo que rejeitava, ele deveria ter feito a experiência, transformando a pedra em pão, caído do pináculo do templo e adorado o maligno. No entanto para Nosso Senhor a prática não formula a teoria, mas sim DEUS formula a teoria que se refleti em sua prática. É preciso tomar cuidado, porque atualmente de um certo modo, tentação e preconceito são palavras sinônimas.