sexta-feira, 9 de maio de 2008

Teoria do incognoscível

Por Gederson Falcometa Zagnoli Pinheiro de Faria


A Teoria da Evolução aplicada a tudo e a todos emburrece e embrutece o homem. Se cresse nela, não poderia acreditar que estas linhas estão sendo lidas agora. O leitor também estaria em evolução. Para onde, somente os evolucionistas mestres sapientíssimos poderiam saber e determinar.

A simples idéia da possibilidade de evolução do leitor, me leva a pensar que as coisas estão evoluindo para a inteligibilidade e incognoscibilidade. Estamos nos transformando naquilo que a ciência moderna considera de DEUS.

O leitor também poderia considerar que eu estou em evolução. Deste modo, eu não seria um escritor, eu seria o ingnoscível. O que seria eu se estivesse em continuo Estado de Evolução? Não poderia ser a própia matéria?

Meus documentos de identificação, seriam insuficientes para provar quem eu sou. Porque eles de si mesmo, não podem provar, por exemplo, que não estou evoluíndo para um Sr. Silva. Deste modo, se a evolução existe, eu não existo, pois estou contido nela e também evoluo. Logo não posso ser chamado Gederson, sem pensar que posso evoluir para o João e depois quem sabe para o José.

O leitor poderá me chamar de João enquanto eu sou o Gederson ou pode chamar me de José enquanto sou o João. Neste estado, nem eu e nem vocês saberíamos quem somos. Estaríamos perdidos, como cegos em pleno meio-dia e talvez em algum hospicío.

Na teoria da evolução tudo caminha para o incognoscível. Nela se acerto, eu não sou, porque aquele que não é, não pode acertar. Para ela sempre seremos seres humanos, nunca chegaremos a ser homens. Porque o própio homem, também evoluí, e assim podemos nos transformar em qualquer coisa, até mesmo em um animal. Isto lembra algumas religiões...