quinta-feira, 19 de junho de 2008

Exposição ao Salmo 22 - III

Tu me conduzes a verdes pastagens.

Sendo ele o Bom Pastor é natural que as pastagens a qu nos conduza sejam boas pastagens, pois a natureza das pastagens deve ser conforme a natureza do condutor ou seja daquele que nos conduz até elas.

Fossem más as pastagens, mau seria o condutor, pois esta escrito: pelos frutos é que lhos conhecereis. Portanto se guia as ovelhas a boas pastagens isso vem manifestar e corroborar o seu cárater bom.

Pastagens há que não são boas.

Poços há que não são bons mas salobros...

Pastagens há que não são boas, mas venenosas.

Pois ao invés de feno, alfafa e ervas tenras são pródigas em cardos e espinheiros.

Em tais pastagens ou as ovelhas passam fome e perdem peso ou - caso pastem - perdem a saúde e entram em óbito.

Quanto a cárater daqueles que conduzem as infelizes ovelhas por pastagens desse tipo cumpre dizer que são verdadeiros mercenários, ladrões e salteadores. Pastores de sí mesmos eles cuidam de apascentar apenas seus próprios ventres...

Como vampiros insasiaveis além de tosquiar o rebanho do Senhor, degolam as ovelhinhas e sorvem seu sangue...

Não eles não coduzem as ovelhas as belas pastagens mas ao matadouro.

Não lhas alimentam mas convertem-nas em alimento para sí!

E assim vão se tornando cada vez mais fortes e opulentos, porque se nutrem com o sangue daqueles que deveriam proteger e guardar.

As ovelhas ficam perplexas porque não conhecem a voz do mercenário e não desejam acompanha-lo, mas, ele imita a voz do pastor e engana as mais ingênuas, as incaútas, as imprudentes e lhas conduz ao matadouro...

Tal e qual o espírito das trevas se apresenta como anjo de luz, assim os lôbos ferozes se apresentam como pastores. Mas que pastores...

Pois o lôbo é o inimigo natural das ovelhas.

Bem, o lôbo sabe muito bem disso e por isso mesmo procura passar ora por ovelha ora por pastor. Quando passa por ovelha faz estragos, mas... quando passa por pastor, os estragos são bem maiores e o todo rebanho corre perigo.

O lôbo se esforça para conduzir as ovelhinhas não as belas pastagens mas ao ermo ou a sua toca para atirar-se sobre elas e dar-lhes a morte.

Nem os salteadores, nem os mercenarios, nem os ladrões, nem os lôbos conduzem as ovelhas as verdes pastagens, mas a armadilhas fatais, porque não são nem bons, nem pastores...

Se me perguntares como é possivel identificar as verdes pastagens eu te direi: Ao Evangelho! Pois o Evangelho contem indicações demasiado claras sobre as verdes pastagens, para que não corramos o risco de seguir aos mercenários.

A primeira característica das verdes pastagens é a unidade, conforme disse o Senhor: que eles sejam um meu Pai, como eu e tu somos um.

Um pelo desejo de fazer o bem, ou seja no que tange a unidade ética ou moral e sobretudo um na profissão de fé, conforme diz o apóstolos: Um só Senhor, uma só fé, um só batismo.

Não há dois Cristos ou dois salvadores, de modo que não podem haver duas fés ou dois batismos e se houverem um será verdadeiro e os demais falsos.

Foi por isso, para conservar essa unidade de fé até o fim dos tempos que o divino Mestre estabeleceu um único redil: sobre ela edificarei a minha igreja. Não divide, não multiplica, não fragmenta, mas diz no singular: minha e igreja.

Pois a igreja é também sua esposa e Cristo só pode ter uma única esposa e não um harem.

Talvez objetais dizendo que os apóstolos plantaram diversas igrejas.

Certamente que os apóstolos plataram diversas igrejas, mas todas elas unidas pela mesma profissão de fé, ou seja pela posse integral e consciente da divina revelação.

Pois Pedro não ensinou uma coisa, Tiago outra, André outra, mas, cada qual ensinou o que havia ouvido dos lábios do Verbo da vida e cada um havia ouvido a mesmíssima coisa, donde a pregação de todos era uma só.

A segunda característica das verdes pastagens é a santidade, conforme rogou o mesmo Senhor em sua natureza humana: Santifica-os na verdade pois por eles eu mesmo me santifico.

Isso quer dizer que as ovelhas de Cristo devem conceber bons pensamentos, proferir boas palavras e sobretudo praticar boas obras, em suma: viver a semelhança daquele que as conduz, imitar a conduta do Pastor, assimilar o seu cárater.

Tal a proposta do Cristianismo: que cada Cristão seja um alter Cristo ou seja um outro Cristo, um Cristo aumentativo.

Examinai as doutrinas contidas no Santo Evangelho, em especial o Sermão da montanha, os escritos dos nossos Santos Padres e doutores e as orientações ministradas pelas Santas igrejas apostólicas até os dias de hoje e verificareis que a santidade, o amor ao bem e a virtude, a solidariedade, a mansidão, e outros tantos valores sem os quais a sociedade desapareceria, percorrem essa cadeia de ponta a ponta.

Santos são os exemplos daqueles homens e mulheres que a igreja, elevando aos altares, propõe, antes de tudo a imitação de seus filhos e filhas, como Justino, Basílio, Crisóstomo, Agostinho, Beda, etc

Santos são os meios - os sacramentos - que oferece a seus filhos para que possam crescer na graça do Senhor e florescer em santidade.

Santa pois é a igreja de Cristo em sua moral, em seus filhos e em seus sacramentos.

A terceira característica das verdes pastagens é a Catolicidade ou a universalidade, conforme disse o Senhor Jesus Cristo a seus beatos apóstolos: Ide e evangelizai as nações todas da terra.

Como já foi dito, após uma permanencia de doze anos na cidade santa, cada um dos apóstolos e comendadores do salvador partiu para uma região diferente da terra: Pedro para o "lugar ais tenebroso da terra" a cidade de Roma capital do império romano, André para a Acaia, vindo a perecer as mãos do proconsul Egéias na cidade de Patras, João o Teologo para a Éfeso capital da Ásia menos onde veio a falecer com cerca de cem anos de idade, Mateus para Malippura capital de Trivandum onde veio a perecer atravessado por uma lança, Bartolomeu para a Armênia onde pereceu esfolado, Judas Tadeu para a Parsiena onde peceu degolado, etc

E cada um deles plantou uma igreja apostólica: a igreja grega, a igreja turca, a igreja palestinense, a igreja egipcia, a igreja armenia, a igreja persa, a igreja malabar, a igreja etiope, a igreja ucranieva, etc Cuja sociedade, pelos liames dé, da esperança e da caridade, constitui a igreja Católica e cumpre o designio do Senhor.

A quarta característica das verdes pastagens é a apostolicidade, conforme disse o divino Mestre: Quem vos ouve é a mim que ouve e quem vos despreza é a mim que despreza. e também: recebei o Espírito Santo a quem perdoardes os pecados serão perdoados e a quem retiverdes serão retidos.

Pois a testa das igrejas que plantaram os egrégios apostolos,sabendo que não haveriam de viver para sempre, puseram homens sábios, piedosos e instruidos em toda doutrina para que conservassem fielmente o depósio da divina revelação.

Por isso paulo escreveu a Timóteo: O que de mim ouvistes diante das testemunhas comunica a outros homens idôneos.

Tal nossa firme crença na sucessão apostólica, ou seja na concordância doutrinal entre a maioria das igrejas plantadas pelos apóstolos do Verbo, conforme ele mesmo disse: as portas do inferno não prevaleverão contra ela.

Tais as verdes pastagens prometidas neste salmo e nós não cremos que possam vir a fenecer e a secar, pois ele disse: as portas do inferno não prevalecerão contra ela.

E não cremos que possam ser devoradas pelos gafanhotos, pois ele disse: as portas do inferno...

Nós cremos na divindade do Pastor e portanto cremos na incorruptibilidade das pastagens.

O pastor é divino, as pastagens sempre verdes, sempre vicejantes, sempre apeteciveis.

O pastor é divino, as pastagens deliciosas, as ovelhas fortes e bem nutridas, o mercenário frustrado.

Sim Senhor Jesus Cristo tu nos conduzes por pastagens verdejantes, pelas pastagens da tua esposa que é Una, Santa, Católica e Apostólica.