sábado, 9 de maio de 2009

A doutrina de Cristo é irracional?



Estava lendo estes dias sobre os embates entre a ONU e a Coréia do Norte, quando este país resolveu soltar mísseis por aí, recebendo um pito das grandes potências por tão ousado ato. Depois disso, os líderes coreanos ameaçam retomarem suas pesquisas com material atômico.

Não vou entrar no mérito de quem está ou não com a razão. As razões de Estado, muitas vezes, parecem estar para além daquilo que pobres cidadãos como nós têm, por diversos motivos, condições de avaliar detalhadamente.

Entretanto, enquanto lia tais matérias, me fiz a seguinte pergunta: A doutrina de Cristo é irracional?

Alguém pode me perguntar: de que doutrina exatamente estás a falar?

Estou querendo me referir a doutrina expressa no Sermão da Montanha, em qe Jesus ensina que não devemos reagir ao mal com o mal, dar a face ao que o fere, entre outras coisas.

Há quem defenda a irracionalidade da doutrina de Cristo, pois, quem em seu juízo perfeito, daria a face a quem o fere?

Mas vamos fazer o raciocínio radicalmente contrário: e se todos reagissem ao mal com o mal?

Não precisamos, para esta resposta, fazer um exercício tão grande de imaginação. Todos sabemos que existe no mundo armamento suficiente para destruir a Terra dezenas, centenas de vezes.

Portanto, o que ocorreria se um país com armamento nuclear atacasse outro, e este reagisse na mesma moeda, e assim sucessivamente?

Resposta simples: a completa aniquilação da raça humana, e deste pequeno planeta.

Ou seja, muitos acusam a doutrina de Cristo de irracional, mas, se aplicarmos, na prática, o ensino contrário, o da reação ao mal com o mal em suas últimas conseqüências, todos nos destruiríamos.

O que torna, então, indesculpável o gênero humano de não cumprir o preceito evangélico é justamente esta possibilidade de verificar que, a doutrina de Cristo é uma doutrina inteligente, que, se cumprida por todos, haverá bom termo. Agora, tal doutrina, quando não observada por todos, ou ainda, radicalmente desobedecida, pode levar a destruição. A moral, a ética, pode ser objetivamente analisada, com seus efeitos e resultados, daí o porque da doutrina de Cristo ser tão contundente para os dias atuais (isto, sem falar no perdão das grandes dívidas, conforme desafiado na oração do Pai nosso). Mas talvez o mais estranho de tudo isso é que muitos cristãos, ou muitas igrejas cristãs parecem apoiar categoricamente o uso da violência para fazer prevalecer este ou aquele ponto de vista. Penso que, deste ponto de vista é muito difícil de refutar a idéia de que a realidade violenta do Estado, todos eles, é ainda uma idéia um tanto quanto anti-cristã. Além do que, se tudo o quanto fosse investido em armas neste mundo, fosse destinado para o fim da miséria no mundo, certamente estaríamos mais próximos de uma realidade mais fraterna. Mas isso é esperar demais do mundo, pois já disseram que ele jaz no maligno...