sábado, 29 de agosto de 2009

Entrevista com Jesus...

Certo dia um 'rematado sábio' aproximou-se do Senhor, e fitando-o com seus olhos cheios de argúcia perguntou-lhe a queima roupa:

Mestre, a que corrente ideologica obedeceremos?
-- A do bem, respondeu-lhe Jesus.
Tendo sido respondida a primeira pergunta o inquérito prosseguiu:
Quem presidirá nossa organização?
-- O Pai celestial.
Como enfrentaremos a dominação romana?
-- Firmemente mas dentro da legalidade.
Se formos caluniados que faremos?
-- Desculparemos a ignorância e perdoaremos a maldade.
Mas perdoaremos quantas vezes?
-- Sempre.
Se formos perseguidos?
-- Resistiremos.
Como revidaremos a violência?
-- Com mansidão e brandura.
E se formos martirizados?
-- Triunfaremos pelo exemplo.
Quais serão os direitos e prerogativas de nossos confrades?
-- O direito de servir sem exigências.
E a remuneração recebida?
-- A prática do bem já é em si mesma uma remuneração.
Onde ficará a séde de nossa instituição?
-- No coração de cada ser humano.
Onde nos fixaremos?
-- Onde precisarem de nós.
A quem auxiliaremos?
-- A quem solicitar nossa ajuda.
Donde virá a voz suprema de comando?
-- Da consciência limpa.
Donde retiraremos fundos e recursos?
-- Da boa vontade.
Com que auxilio contaremos?
-- Com a graça divina.
Quem obterá a posição mais elevada no ministério?
-- Quem mais servir.
Qual será nosso objetivo primacial?
-- A construção de um mundo novo, regenerado, enobrecido e feliz.
Então para quem triunfaremos?
-- Para as gerações futuras.
E porque?
-- Porque uma mesma condição nos une.
E quanto tempo gastaremos?
-- O necessário.
Será possivel abrevia-lo?
-- A natureza não da saltos e a evolução é um processo.
Com quantos colaboradores contaremos?
-- Com aqueles que desejarem auxiliar-nos.
Serão suficientes?
-- Se forem eficientes serão suficientes.
Não seria melhor constranger os demais a nos ajudar?
-- Na econômia do Reino não há lugar para a força ou a violência.
Neste caso como combateremos a guerra?
-- Com a paz.
E a crueldade?
-- Com a clemência.
E a iniquidade?
-- Com a justiça.
E a maldade?
-- Com a bondade.
E a mentira?
-- Com a verdade.
E o erro?
-- Com o instrução.
E a cólera?
-- Com a pasciência.
E a incompreenção?
-- Com a tolerância.
Qual será nossa divisa?
-- O amor fraterno, universal e incondicional.
O que mais aprecias?
-- A santidade e a perfeição.
O que mais detestas?
A hipocrisia e a duplicidade.
Deste modo quantos estadistas, lideres religiosos e sábios nos acompanharão?
-- Em nosso apostolado a condição trasitória não importa e sim a qualidade do cárater.
Trabalharemos na esfera dos individuos ou das familias?
-- Das nações.
E o que haveremos de conquistar?
-- O mundo.
Neste caso quais serão nossas armas?
-- As virtudes.
E nosso exército?
-- Nossos braços e pés.
Farás alguma diferença entre senhores e escravos?
-- Não posso distinguir o que a natureza nivelou.
Manterás o regime estabelecido de propriedade?
-- Tudo que a natureza dá pertence a todos.
Neste caso qual o padrão de posse?
-- O trabalho.
E qual o maior vício?
-- O acumulo irrestrito.
Onde principiaremos a construção do teu Reino, aqui mesmo em Jerusalem ou em Samaria?
-- No interior de cada homem ou seja em suas almas.
Que livro lhes darás?
-- A vida.
Que tipo de punições adotarás?
-- A medicinal.
Neste caso em que apostas?
-- No homem.
E o que lhe ofereces?
-- Exemplo.
De que modo?
-- Morrendo.
Que esperança enfim te anima?
-- A vitória.
E se te classificarem entre os utopistas?
-- Estarei em excelente companhia.
E se disserem que tua proposta é impossivel de ser realizada?
-- Lhes direi: até que seja realizada...
E caso eu não queira te seguir?
-- Serás o único prejudicado entretanto repeito tua decisão.
Se eu te quizer seguir o que me pedes?
-- Fidelidade e coerência apenas.
Uma mensagem para seus seguidores.
-- Imitem-me.
Uma mensagem para a Igreja:
-- Jamais fui rico ou vivi entre os ricos e poderosos da terra.
Uma mensagem para todos os homens:
O amor sempre vence e triunfa de
todos os obstáculos.