sexta-feira, 25 de setembro de 2009

Aprendendo com os índios


                                                foto: http://www.dialogosuniversitarios.com.br/

Vi hoje na televisão um bispo católico dizendo que nós é que tínhamos que nos converter ao estilo de vida dos índios; que, em certo sentido, eles eram mais cristãos do que nós, visto que, eles vivem uma vida comunitária, sem exploração, e que têm tudo em comum, como era no cristianismo primitivo.

Durante muitos anos, tanto a Igreja Católica quanto os Evangélicos lançaram de uma estratégia que ignorava quase que completamente a cultura indígena (com louváveis exceções). Os missionários diziam que estava "tudo errado", acabando com toda aquela cultura. Hoje, é possível que o exagero esteja com evangélicos mais radicais, por assim dizer.

Não podemos abrir mão de pregar o evangelho a toda a criatura; entretanto, isto não significa que devemos rejeitar e desrespeitar sua cultura. Além do que, nós também temos nossa cultura, e é possível que ela esteja impregnada de alguns conceitos muito mais anti-cristãos do que a dos povos que buscamos atingir.

Os índios, conforme disse o bispo, talvez estejam, no seu aspecto "econômico", muito mais próximo da prática do Reino do que os civilizados cristãos. Os índios, por exemplo, salvo melhor juízo, vivem durante séculos em determinadas localidades, mas sobrevivem em harmonia com a natureza, pois retiram desta somente o necessário para a manutenção da vida. Podemos dizer a mesma coisa? Penso que não. Quem é, portanto, mais "civilizado", mais humano, mais amigo da natureza? Não são estes também valores cristãos?