segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Que é ser Cristão?










Há alguns dias um aluno dos mais aplicados, e cético, por sinal perguntou-me a queima roupa:

-- Mestre que é ser Cristão.

Ouvi e a queima roupa respondei:

-- O Cristão é aquele que sabe se opor ou aquele que se opõe.

Naturalmente meu querido jovem aguardava por uma resposta convencional, como:

O Cristão é aquele que obedece o Papa, sucessor de S Pedro ou Cristão é aquele que crê na Bíblia.

Pois uma tal resposta habilita-lo-ia a replicar de imediato:

E no entanto o Papa habita num palácio de onze mil aposentos e se opõe ao controlo de natalidade. (diante duma réplica como estas, objetar o que... Feliz quem se cala diante dela)

Ou -

Mas a Bíblia contem erros e contradições - em especial o Velho Testamento - podendo ademais ser interpretada como melhor convier ao leitor... (iden ao primeiro parenteses)

Talvez pudesse responder:

Porque guardo as tradições dos apóstolos e padres antigos...

Neste caso talvez, meu jovem amigo apenas desse de ombros e se retira-se. Pois algo como tradição e antiguidade nada significaria para ele...

E no entanto - caso fosse bem informado - ele também poderia replicar:

-- E no entanto seus confrades ortodoxos - clérigos inclusive - burlam descarademente a esta tradição...

Então seria eu quem me veria obrigado a calar e a dar de ombros...

Diante disto tentei raciocinar rápido e apresentar ao aluno uma resposta que fosse verdadeira e ao mesmo tempo incômoda, levando o aluno refletir tanto mais profundamente sobre a questão.

Naturalmente que o aluno calou-se, parou, pensou um pouco e perguntou num tom um pouco mais sério:

-- Opor-se, mas opor-se aqui, temo não te-lo compreendido bem.

-- Compreendeu perfeitamente, repondi, pois foi exatamente o que eu disse que o Cristão é aquele que se opõe...

-- Algo parecido com o personagem 'do contra' da turma da Mônica?

Surpreendido com a resposta do rapaz, só pude responder:

-- Exatamente, o Cristão é alguém que ao invés de seguir as modas, ordenações e costumes vigentes, sabe dizer não. Taí, alguém que sabe dizer não, alguém que tem a coragem e a ousadia de dizer não, eis o Cristão...

-- Mas não ao que professor?

-- Veja bem meu querido, Pedro e João, apóstolos do Cristo foram levados a presença do Sinedrio judaico e interrogados nestes termos> Vos abstereis de anunciar este nome (o nome de Jesus)?

Caso tivessem concordado, assentido e proferido um gracioso sim, um e outro teriam evitado uma boa sova, e no entanto a resposta de ambos foi unissona: Não, não deixaremos de anunciar ao nome, pois mais vale obedecer a Deus do que os homens... merecendo por isso quarenta menos uma chibatadas...

Compreende?

O rapazinho parou mais uma vez, pensou e disse:

Creio que compreendi, acho que o senhor quiz dizer que não devemos mentir para escapar de situações problema...

-- Observe, caso Jesus não tivesse molestado aos vendilhões que comercializavam no templo é pouco provável que tivesse sido morto na ocasião em que foi. Ele mesmo sabia perfeitamente disto e mesmo assim foi, entrou no templo e se opoz aquela situação de profanação e sacrilégio dizendo: Não...

E este não lhe custou a vida, e esta oposição selou sua condenação e morte...

Portanto o Cristão é aquele que sabe dizer não as injustiças e crimes na mesma medida em que diz Sim a Deus, como fez a Virgem Maria, mãe de Nosso Senhor.

Impossivel é dizer sim a Deus, como teem feito tantos e tantos e não se incomodar com a injustiça que grassa por um mundo que se apresenta nomimal e oficialmente como Cristão, então o Cristão deve se opor tenazmente a esta profanação a que o nome de seu Senhor tem sido submetido pela cristandade nominal e proferir um solene não.

Um não diante da fome.

Um não diante da miséria.

Um não diante das guerras.

Um não diante das epidêmias.

Mais um não diante do mercado.

Mais um não diante do acumulo de bens.

Mais um não diante da corrupção dos parlamentos.

Mais um não diante dos golpes de estado.

Mais um golpe diante da violação da dignidade humana.

Mais um não diante da supressão dos direitos inerentes a pessoa.

Outro não ao descaso com que os governos tem encarado o bem comum.

Outro não diante da recusa dos governos em promoverem a justiça social.

Outro não diante da exploração de menores.

Outro não diante do preconceito contra a mulher.

Outro não diante da homofobia.

Outro não diante da destruição da natureza e da agressão aos outros seres vivos nossos irmãos.

Não, não, não e não é o que devemos dizer enquanto Cristãos diante de todos os males com que nos deparamos neste mundo, denunciando-os sem treguas e tentando soluciona-los da melhor maneira possivel e não omitir-se dizendo para si mesmo: Tudo esta perfeitamente bem e em ordem.

Não, não esta, nada esta bem e nada estará bem enquanto houver sofrimento e infelicidade sobre a face da terra.

Entretanto dirá alguém:

Males e sofrimentos sempre existiram e de algum modo fazem parte da condição humana.

Certamente que há males naturais, os quais por assim dizer sempre existiram e independem da ação humana.

Nós porém, não nos referimos a este tipo de males, mas aqueloutro tipo que não é nem natural, nem necessário, mas voluntário, existindo apenas em conexão com nossas ações e operações.

É tais males evitáveis, produzidos pela ação, pela paixão, pela voragem, pela cobiça, pelo egoismo e pela leviandade humanas, que nos referimos como sendo intoleráveis e inaceitáveis a luz da econômia sobrenatural do Evangelho.

Com relação a tais males, como a exploração do homem pelo homem, o abismo social, a extrema pobreza, o acumulo irrestrito de propriedades, o estado de fome, etc que devemos nos opor dizendo um terminante não. Não, não servirei, não colaborarei, não compactuarei, não me associarei... pelo contrário boicotarei na medida em que puder boicotar.

Não comprarei... não receberei... não aceitarei...

Cedo ou tarde você será advertido de que tal instituição publica ou privada lhe oferece alguma medalha, trófeu, título, premiação, homenagem, etc

Então é chegada a hora de dizer: Não... Ou de aproveitar-se da ocasião para causar escandalo, denunciando.

É chegada a hora de apoiar aos grevistas, pois toda greve implica em dizer Não, ao sistema de produção.

É chegada a hora de apoiar os que não teem terra ou teto, pois apoia-los equivale a dizer não ao monopólio da terra.

É chegada a hora de apoiar a nobre luta do povo hondurenho e de com eles dizer não ao golpista Micheletti e dize-lo em nome de Cristo e de seu Evangelho.

Pois este Evangelho nos ensina a amar a luz e não as trevas, sendo maldito todo aquele que lho coloca debaixo do alqueire...

EVIDENTEMENTE CARO ALUNO QUE O CRISTIANISMO NÃO TERMINA COM O NÃO, MAS PRINCIPIA CERTAMENTE POR ELE...

É necessário começar dizendo não a injustiça, para encerrar bem a carreira, dizendo sim a Justiça e lutando para promove-la em todas as esferas da atuação humana.

Eu já comecei a dizer Não, e você?