terça-feira, 27 de abril de 2010

Reflexão

É comum vermos em sites e blogs ferrenhas críticas aos defensores da teologia da prosperidade.

Citando-se o nome de igrejas, apóstolos, bispos, pastores, etc.

Até aí, tudo bem.

Mesmo neste blog temos postagens assim.

E eu mesmo já fiz, e ainda faço, minhas críticas a esta pseudo-teologia.

E, quanto mais pudermos arrebata-los do fogo, melhor.

Entretanto, faço uma ponderação que penso ser necessária.

Estas pessoas, que lotam estes templos... Já estiveram em nossas comunidades, em nossas igrejas?

Eram eles nossos discípulos, e agora estão desviados, seguindo outros mestres?

Porque, se estavam, provavelmente foram muito mal instruídos e discipulados; caso contrário, não entrariam numa arapuca daquelas.

E, se não estavam, é porque outros chegaram primeiro.

Porque aquela turma trabalha, viu.

Você liga a sua tv as 07:00 h da manhã, e tem culto ao vivo daquela turma. Aí, você liga a tv no mesmo dia, as 20:00 h e também tem culto ao vivo.

Suas igrejas ficam o dia inteiro abertas, etc.

Não estou dizendo que precisamos ficar fazendo isso também.

Estou dizendo que esta turma trabalha...

Estou dando um curso sobre Gálatas.

A grande epístola da liberdade cristã.

Paulo escreve violentamente contra seus inimigos e detratores.

Mas é porque eles estavam desvirtuando os seus próprios discípulos.

Uma igreja que o próprio apóstolo dos gentios haviam fundado.

Por isso perguntei.

Estas pessoas que lotam tais templos foram seus discípulos algum dia?

Ou eram como ovelhas sem pastor?

Que a trombeta não pare de soar.

Mas que o trabalho também não deixe de acontecer.

No temor do Senhor.

Carlos Seino.