quinta-feira, 16 de junho de 2011

Bem aventurado os que têm fome e sede de justiça

Lectio:

Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque eles serão fartos;


Meditatio:


Fome e sede são necessidades básicas, primárias, fundamentais no ser humano.

Daí, fome e sede de justiça ser algo revestido destas caracteríticas no bem aventurado.

Justiça primeiro como sede de um carater justo, como virtude moral, cuja inspiração é a vida do próprio Cristo.

Justiça também como "práxis", no comportamento cotidiano, para com o meu próximo.

Justiça como a necessidade de ser "justificado pela fé" diante de Deus, pelos méritos de Cristo.

Justiça também como um ideal a ser buscado nas relações sociais. É a busca da radicalidade profética contra os poderes injustos que operam no mundo, que causam tanta miséria e que custou a vida de tantas pessoas, desde João Batista, o próprio Cristo, até Dietrich Bonhoeffer, entre tantos outros. É preciso muito coragem para assumir tal papel.

Quem tem fome e sede de justiça se indigna contra tanta injustiça no mundo, e mesmo com suas poucas forças, faz algo para mudar.

Nisto, somos, a maioria de nós, um pouco deficientes...

E a recompensa para tal fome e sede esta na própria pessoa do bem aventurado, que as terá saciada por Deus. Não são recompensas exteriores, prêmios, mas o sentimento de que se fez e se está fazendo a coisa certa.


Oratio:

Dai-nos, Senhor, esta fome e esta sede de justiça, para que por ti um dia sejamos saciados. Amém.