quarta-feira, 15 de junho de 2011

Bem aventurados os mansos

Lectio:

Bem-aventurados os mansos, porque eles possuirão a terra;


Meditatio:


Manso é aquele que não reage na mesma proporção com o qual eventualmente foi provocado. Jesus foi assim; não reagiu na mesma proporção com a qual foi muitas vezes agredido.

Denota um caráter gentil, amável.

Diante das exortações que eventualmente recebe, pondera, não reage, não se justifica.

Denota "uma atitude humilde e gentil para com os outros, determinada por uma estimativa correta de si mesmo" (Martin Loyd-Jones).

O manso se expressa pela riqueza e explendor do seu próprio caráter, não utilizando dos mecanismos sociais de "status" para se sobrepor sobre os demais, seja ele presidente, governador, juiz ou chefe de repartição. Pois afinal de contas, o manso é um servo.

Eles possuirão a terra.

Os "não mansos" não possuem a terra, mas por ela são possuídos. E quem por alguém é vencido, torna-se dele servidor. São possuídos pelas suas posses, pelo prazer, pelo desejo das coisas da terra, pelo pecado. A auto-renúncia, expressa na mansidão, denota o caminho para o possuimento do mundo, justamente por estas coisas não nos possuirem. "Melhor quem domina a si mesmo do que o que conquista uma cidade, já disse o sábio".

Oratio:

Tornai-me manso, Deus, como "manso e humilde de coração" foi o teu Filho. É o que te pedimos, em nome de Jesus. Amém