sexta-feira, 8 de julho de 2011

Largando a túnica e a capa

E, ao que quiser pleitear contigo, e tirar-te a túnica, larga-lhe também a capa;


É um outro princípio do desapego, algo difícil de se viver.

Que expressa também o princípio da não violência em nossas relações pessoais.

Não é, em minha opinião, um princípio para ser aplicado aos tribunais humanos, encarregados de administrarem a lei.

Mas sim em nossas relações pessoais.

Um aspecto prático, em minha opinião, óbvio deste ensinamento é: se alguém tentar roubar algo que te pertence, não reaja, deixe levar (se bem que, reconheço, não é isto que o texto está dizendo explicitamente).

Que bem neste mundo é mais precioso que tua vida? Um relógio, um carro, uma peça de roupa?

Nada disso é.

Mas e se houver alguma discussão em relação a algum bem material, em nível, talvez judicial?

Valerá a pena o stress para discutir a quem pertence?

O bem material em questão não é um bem menor a se livrar, juntamente com aquele que demanda contigo?

É dificil aplicar tais princípios em nosso dia a dia; é forçoso reconhecer.

Mas nada neste mundo nos pertence indefinidamente.

Será tirado um dia.

Tudo neste mundo tende à degeneração.

A única coisa que não podem tirar de você é a presença do próprio Deus em tua vida.

A única coisa que não degenera, mas renova a cada manhã...