quinta-feira, 8 de setembro de 2011

Fundamentalismo, sou cristão e digo NÃO!






Há coisas no Cristianismo que não vão bem.

E não vão bem porque não são nem um pouco Cristãs.

Está o Cristianismo repleto de coisas não Cristãs ou melhor de coisas anti cristãs, por isso não vai bem.

Não pode ir bem o que não é bom.

Princípios, valores, teorias, idéias, opiniões e crenças há no Cristianismo que não são nem um pouco Cristãos.

Por isso digo que esse tipo ou padrão de Cristianismo não é bom.

Cuidaram nossos Bispos e padres de resistir a tirania papal, isto é muito bom, todavia, mesmo sem Papa, caso nosso Cristianismo não corresponda ao mandamento divino do amor e a prática das bemaventuranças, não será bom. Poderá ser doutrinariamente ortodoxo mas não será significativo.

Pois a fé sem obras é tão morta num ortodoxo quanto num papista ou num luterano.

Direi mais a fé sem obras santas e virtuosas é uma fé perigosa. Pois é fé a serviço do mal, que pode dar vezo ao fanatismo e transformar-se em violência.

Ortodoxos sem amor ao próximo sacrificaram a ilustre Hipácia filha de Theon - seja perpétua sua memória - papistas sem amor ao próximo lançaram Huss a fogueira e protestantes sem amor ao próximo torraram a lenha verde o pobre Servet.

Quem tem fé, mostre-a através de suas obras, fazendo o bem como Jesus fez bem a todos os seres. Quem não tem fé assuma sua incredulidade. Quem não é capaz de por em prática tudo quanto Jesus determinou evite cobrir seu nome com lama fétida apresentando-se como Cristão.

Se é cristão, viva como Jesus viveu. Se não é capaz de viver como Jesus viveu faça-se muçulmano, ateu ou qualquer outra coisa.

Se é ortodoxo, tanto pior, pois tanto mais exata a fé, tanto mais exata deveria ser a obediência.

Crer com exatidão satisfaz o intelecto, viver com exatidão satisfaz as exigências impostas por Cristo no seu Evangelho.

Aquele que tem pretensões de muito ensinar a todos seja o primeiro em observar e cumprir.

O Cristianismo esta farto de pregadores e de pregações até as esquinas, o mundo precisa apenas de pessoas que vivam como Jesus viveu assumindo os valores contidos em seu Evangelho.

Um desses valores é a sacralidade da vida humana e seu oposto o assassinato.

Jesus optou por condenar o ódio, que é a raiz do homicídio, porque o homicídio já havia sido anatematizado por Moisés nos dez mandamentos.

Os antigos hebreus fizeram muito pouco caso do decálogo e mataram a não poder mais... os cristãos resolveram imitar seus predecessores, os hebreus, e puseram-se a assassinar sem maiores cerimônias.

Os antigos hebreus desculpavam-se alegando que estavam a massacrar os idólatras, que não eram lá muito humanos... os cristãos adotaram a mesma desculpa, passando a matar tantos quantos não comungavam de suas crenças.

E para completar as medidas de seus crimes recorreram a um magnífico expediente: a doutrina fetichista da inspiração plenária, segundo a qual todas as passagens do antigo testamento em que 'deus', operando contra seus próprios mandamentos gravados na pedra, manda cometer assassinatos e massacres é igualmente palavra de Deus, tão pura, tão santa e tão divina quanto o mandamento do amor!!!

Doutrina feita sob encomenda para tantos quantos desejam burlar os mandamentos de Jesus Cristo, a tal doutrina da inspiração verbal, plenária e linear. Afinal tudo quanto foi determinado por Jesus Cristo no Santo Evangelho acha exceção já nos escritos dos apóstolos - que eram hebreus - já no antigo testamento.

Jesus condena o assassinato? O antigo testamento atribui tal operação maligna a Deus. Jesus condena a mentira? O antigo Testamento atribui-a igualmente a Deus... Jesus condena o uso da espada e abençoa os pacíficos? O antigo Testamento tece a apologia da guerra... Jesus acolhe mulheres e homossexuais? Paulo, como fariseu filho de fariseu que era, anatematiza tais categorias de pessoas...

O que o Deus encarnado diz aqui, alega-se que o mesmo deus não encarnado ou desencarnado desdiz acolá... é deus pelejando contra deus ou melhor palavra contra palavra...

De tudo quanto Jesus ordena e determina é possível esquivar-se apelando ao resto das 'escrituras' caso admitamos que contem outras tantas palavras de deus tão valiosas e dignas quanto as suas.

Eis porque é perfeitamente possível apresentar-se como bom cristão e viver a mosaica ou a maometana como tantos e tantos Bispos - a exemplo de Teófilo e de Cirilo de Alexandria - papas e reformadores inimistados com a lei suprema do Evangelho.

Põe o vinho novo nos odres velhos dos patriarcas, dos profetas ou dos fariseus e dão-se por satisfeitos.

É justamente por isto que nosso Cristianismo, tornando-se irrelevante, tornou-se supérfluo ou desnecessário.

Por mais que nossos bispos ortodoxos, os papas romanos e os pastores e profetas protestantes gritem a plenos pulmões, por mais que batam os pés, por mais que recorram a fábula do inferno... não conseguem mais granjear o respeito dos povos.

O islã é coerente, pois seu livro é o Corão e não o Evangelho. Eis porque ele pode oprimir tranquilamente os infiéis...

A cristandade nominal com seu sistema de mercado, suas guerras, sua pena capital, seu vezo maniqueísta... é um sinal de hipocrisia posto face as nações.

Eis o Cristianismo inoperante de nossos dias e devo dizer em alto e bom som que ninguém precisa dele. Não precisamos de qualquer feitiçaria que nos livre de castigos inexistentes decretados por um suposto deus encolerizado ou vingativo.

Tudo isto é assaz primitivo e inaceitável.

Os profetas antigos cumpriram seu papel que era anunciar a vinda de Cristo. Os apóstolos foram grandiosos por terem cumprido seu papel... só Jesus no entanto, só Jesus é divino!!! Ele e só ele é a verdade!!! Profetas falharam miseravelmente quando deixaram de anunciar o Cristo para anunciar massacres e vinganças nacionalistas... apóstolos falharam miseravelmente quando venderam judaísmo por Cristianismo sob a forma de machismo, homofobia, estatismo, escravismo, etc

Meu Paulo não é Jesus e meu Jesus não é Paulo.

Acato os ensinamentos do Santo apóstolos sempre que estão de acordo com as palavras divinas do Evangelho. Do contrário não dou ouvidos ao Santo homem...

Quando os apóstolos falam em nome de Moisés, dos patriarcas, dos profetas, da sinagoga, da cultura judaica não posso, não quero e não desejo ouvi-los sob pena de solapar a lei divina promulgada por Jesus Cristo no sermão da montanha.

É verdade que a Igreja canonizou alguns personagens que pondo em prática tais teorias viveram de modo muito pouco Cristão em franca oposição ao Evangelho. Refiro-me aos assassinos Constantino, Cirilo de Alexandria, Irene, Nicolau II, etc

Matadores de homens, pesa sobre uns e outros a sentença divina: "UM ASSASSINO NÃO DETEM A VIDA ETERNA."

Estará errado o apóstolo?

Neste caso ouçamos o Divino Mestre:

OUVI O QUE FOI DITO AOS ANTEPASSADOS: NÃO MATARÁS!!!

E eles mataram!

Mataram e foram proclamados como santos.

Mas aos olhos de Cristo não são santos e se alguém ousasse imita-los faria grave injúria aquele que dirigindo-se a Pedro lhe disse: Guarda a tua espada pois quem com ferro fere com ferro será ferido.

Teria a igreja errado ao canoniza-los???

Quem pôs na tua cabeça de vento que as canonizações da Igreja são infalíveis???

Constituída foi a Igreja de Cristo com o intuito de conservar e manter fielmente seus ensinamento a respeito das coisas divinas e não com o intuito de julgar a santidade de seus membros!

Estabelecida foi a Igreja Católica com o intuito de velar pelo depósito que lhe foi confiado, a saber a integralidade da revelação divina e não com o intuito de canonizar!

Infalível é a Igreja pelo que recebeu de Cristo ou seja pela verdade revelada e não por obra e graça de canonizações!

Portanto quando gritam: a igreja, a igreja... não nos incomodam nem assustam pelo simples fato segundo o qual tal operação não corresponde a função divina da Igreja.

Os santos existem e devemos venera-los. Basta no entanto que Deus conheça seus santos e que os Santos de Deus conheçam nossas petições...

Quanto aqueles que violaram a lei de Jesus Cristo, são tão criminosos quanto os papas e reformadores com seus assassinatos, roubos e mentiras. O que não fica bem nos papistas e protestantes não ficará bem nos nossos ortodoxos.

O que fica bem nos idólatras, judeus e muçulmanos não fica bem nos cristãos.

Pois a fidelidade do Cristão ao padrão do Evangelho, que é a palavra de Jesus Cristo deve ser irrestrita. Pereçam papas, reformadores, patriarcas, Bispos, profetas e até apóstolos caso estejam em oposição face a Cristo Jesus Nosso Senhor.

É a Cristo que devemos prestar obediência irrestrita e não a seus servos humanos, mortais e falíveis ou a quaisquer livros ou palavras que escreveram.

Eis porque não me associo a manobra fundamentalista.

Não me associo, antes denuncio.

Como cristão consciente da especificidade e da soberania do Evangelho sinto-me obrigado a denunciar esses judeus não judeus ou melhor esses judaizantes, sejam filiados a ortodoxia, ao papismo ou ao protestantismo.

Para a ortodoxia o fundamentalismo corresponde ao supremo ultraje.

Fere o coração mesmo da doutrina nicena igualando as palavras dos servos a palavra do Deus Jesus Cristo.

Escarnece da divindade do Verbo supondo que qualquer patriarca ou profeta é tão eficiente quanto ele para ensinar-nos o que seja a fé Cristã.

Ultraja a excelência do Evangelho, nivelando-o a um amontoado de palavras humanas a respeito de deus, algumas por sinal muito indignas dele.

Cuidaram os reformadores de reformar a cristandade. Testifica a verdade que deformaram-na ainda mais na medida em que substituíram a soberania arbitrária do papa romano pela soberania do livro.

O pior de tudo porém foi a canonização da supersticiosa doutrina da inspiração plenária.

Tivessem os reformadores suficiente tino para distinguir os Evangelhos dos demais escritos...

Acontece que ao oporem o livro ao papa acharam por bem afirmar a igualdade de todos os registros que compõem o livro.

Precipitaram-se pois no abismo do qual Roma estava já a borda...

Confundiram as palavras dos servos, emissários e arautos com as palavras do Senhor. E ousaram dar as palavras de Paulo, Pedro, Judas, Salomão, David, Moisés, o título de palavra de Deus.

E procedendo deste modo concederam ampla munição aos incrédulos e ateus, na medida em que apresentaram o Deus dos Cristãos como um ser que se contradiz...

Honrando o livro como um todo ultrajaram sua parte mais nobre e excelente, ou seja, as palavras do Verdadeiro Deus Jesus Cristo consignadas no Santo e divino Evangelho.

Diante disto sou obrigado a protestar, a clamar, a gritar, a dizer basta!

Basta de voltar o vomito, basta de obscurecer o evangelho, basta de recorrer a odres velhos!!!

Não posso aceitar, não posso compactuar, não posso admitir, não posso justificar.

Pois aquele que aceita o fundamentalista e justifica o fundamentalismo participa de seus crimes, de seus pecados, de suas iniquidades!!!

Compreender compreendemos. Compreendemos muito bem que o fundamentalismo é fruto da ignorância e que corresponde a finalidades políticas e econômicas.

Justifica-lo não podemos.

Pois o fundamento desta teoria é Moisés, é Davi, é Salomão, é Paulo, é João o vidente e não Jesus Cristo, o único fundamento posto para nós, o fundamento divino, sólido e suficiente, que não depende de qualquer outro.

Estivesse o fundamentalismo fundamentado no Verbo da vida eterna e seriamos fundamentalistas...

Posto sobre falsos fundamentos este fundamentalismo é igualmente falso.

Patriarcas, profetas, apóstolos, tudo é bom em Jesus Cristo, quando dá testemunho de Jesus Cristo, quando anuncia Jesus Cristo, quando concorda com Jesus Cristo, quando se submete a Jesus Cristo. Sem Jesus Cristo nada presta! Independentemente de Jesus Cristo nada vale! A revelia de Jesus Cristo nada é!

Mas Jesus é com as crianças, que os fariseus desprezam e levam nas pontas das varas... Jesus é com as prostitutas que os rabinos evitam, com os publicanos que eles maldiçoam... Jesus não tece discursos banais a respeito de pratos, vestimentas, costumes sexuais... Jesus não se importa nem um pouco com as trivialidades que constituem a essência da religião farisaica.

E no entanto o fundamentalismo é tudo isto: a supressão da liberdade, a opressão das consciências, a condenação da ciência, a apologia da ignorância, o repúdio do corpo, do sexo, da alegria, o menosprezo pela vida, a negação da diferença, da empatia, da alteridade, a ressurreição do farisaísmo, o triunfo da letra, a vitória da superstição, a apoteosa da teocracia, a cultura da morte, a morte do Evangelho da luz, a destruição do amor, a mais pérfida das traições urdidas contra Jesus Cristo, o caminho de Judas.

Caso o fundamento posto fosse o Cristo e seu santo Evangelho haveria capitalismo, guerra, pena capital, machismo, homofobia, puritanismo, maniqueísmo???

Não, não haveria nada disto porque o espírito de Cristo é oposto a tudo isto.

Podeis falar em Bíblia, em livro, em livros, em ídolo de papel, mas não em Jesus Cristo e de Jesus Cristo. Daquele Jesus Cristo que acolheu a samaritana, as crianças, o centurião romano, Zaqueu, Madalena, os pescadores, etc Este Jesus das minorias, dos excluídos, dos oprimidos... este Jesus divino dos Evangelhos não é o vosso Jesus! Criastes um outro Jesus a vossa imagem e semelhança! Vosso Jesus não passa de caricatura desengonçada! Vosso Jesus é Moisés disfarçado ou Paulo travestido!

O verdadeiro Jesus disse: Não julgueis para que não sejais vós também julgados!

Vós no entanto não só julgais como condenais a maior e melhor parte do mundo as chamas de vosso fabuloso braseiro. Tudo porque recusam-se a viver tristemente segundo vossas vontades...

Clama contra vós o sangue da Hipácia, de Prisciliano, de Huss, de Servert, de Gentile, de Mainz, de Vanini, de Bruno e de tantos outros!!! Maculastes com sangue inocente o nome sagrado do Cristo!!! Acendestes fogueiras e erguestes forcas em nome do seu Evangelho!!! Abençoastes e continuais abençoando baionetas e canhões!!! Não cessais de lisonjear justamente aqueles que Jesus achou por bem anatematizar, a saber os ricos e poderosos!

Reproduzistes tudo quanto havia de pior na mentalidade e na cultura dos antigos hebreus.

Mas não perseverastes no amor anunciado pelos profetas.

Sonhais com catástrofes, vingança e efusões de sangue.

Nós servos e adoradores de Cristo sonhamos com um mundo novo, com um mundo melhor, com um mundo renovado segundo a imagem do Salvador bendito. Nós aguardamos a construção duma nova terra onde reinarão a paz, o amor, a fraternidade, a beleza, a luz, a verdade.

Por isso não podemos lutar convosco ou combater a vosso lado. Antes devemos lutar contra vós e vossa mentalidade carnal.

Por isso o Cristianismo esta cindido em dois como a cortina do Templo.

Mas apenas a parte correspondente ao espírito de Cristo subsistirá.

Eis a nossa esperança e a esperança da humanidade.