quinta-feira, 8 de setembro de 2011

Os homens excluem e repudiam, Cristo acolhe a todos!




Não me importei quando ouvi alguém dizer 'Não tem alma' e torturar um pequeno rato de laboratório, pois não sou um rato, um cão ou um macaco...

Sei todavia que o Senhor foi acolhido e aquecido pelos irracionais na manjedoura de Belém.

Fiz pouco caso quando ouvi alguém dizer 'Quem ama seu filho não poupa a vara' e surrar uma criança indefesa, pois não sou mais criança.

Sei todavia que o Senhor Jesus acolheu e abençoou os pequeninos...

Fechei meus olhos para não ver um negro ser humilhado na padaria da esquina, afinal, não sou negro ou africano...

Não fui capaz de me lembrar do Salvador atendendo os rogos da mulher cananéia.

Não fiquei indignado ao ver um homossexual ser espancado por um grupo de jovens encapuçados, pois não sou homossexual.

Jesus no entanto enalteceu a fé do centurião romano e não se recusou a curar seu 'servo'.

Aceitei com naturalidade a pregação de certo 'ministro do evangelho' a respeito da inferioridade da mulher, afinal, sou homem...

Meu Senhor no entanto viveu cercado por mulheres e conversou a sós com uma samaritana!

Aplaudi quando alguém disse que não há pecado mais grave que os pecados da carne, pois sou um sujeito recatado...

Acontece que Jesus enfiou as prostitutas no Reino, antes dos censores públicos...

Fiquei feliz ao ver o operário sendo explorado pelo patrão, porque não sou operário.

Abri por acaso o Evangelho e descobri que a boa nova foi revelada aos pobres e manifestada aos humildes de coração.

Jamais me preocupei com os direitos dos deficientes, pois tenho um corpo e uma mente perfeitos.

Não fui capaz de perceber o imenso carinho que Jesus dedicava aos enfermos do corpo e da mente.

De todos os oprimidos, excluídos, condenados, escarneci e zombei como perfeito fariseu.

Sem saber que Jesus estava ao lado deles, cercado por eles e com eles.

Escandalizei-me ao perceber que o Mestre andava em péssimas companhias.

Foi assim que seguindo doutrinas e preceitos dos homens ignorantes e malvados postei-me contra Cristo Jesus.

E assim trai sordidamente o Evangelho.

Com os homens mortais proclamei a conveniência e utilidade das guerras.

Mesmo sabendo que Jesus proclamou bemaventurados os pacíficos.

Com os homens mortais admiti a onipotência dos tribunais que condenam a morte.

Mesmo sabendo que Jesus mandou Pedro guardar sua espada.

Com os homens mortais resolvi aceitar a realidade e deixar de lutar por um mundo melhor.

Mesmo sabendo que Jesus foi supliciado por ter desafiado os reis e sacerdotes do povo de Israel.

Apelando a Pedro, a Paulo, a Moisés, a Davi, a Salomão... matei, roubei, menti, jurei, etc ou aprovei aqueles que praticavam tais ações. E assim violei todos os preceitos e mandamentos do Evangelho.

Subvertendo a economia divina coloquei os adoradores e servos falíveis acima do Mestre divino e infalível.

Vivi em guerra contra o Evangelho e ousei apresentar-me como cristão diante dos homens.

Nada compreendi do Evangelho e sempre acreditei já estar salvo...

Foi assim que enganei a mim mesmo, a meus filhos, familiares, amigos, companheiros, irmãos...

Foi assim que dei vida a fábula do inferno, ajudando a torna-la real aqui mesmo neste nosso mundo.

Eu poderia ter ajudado a construir o Reino de Jesus Cristo caso compreendesse e pusesse em prática suas palavras.

Eu poderia ter acolhido e compreendido as pessoas ao invés de repudia-las...

Poderia ter vivido como Jesus viveu e imitado sua regra de vida.

A exemplo de Deus, do Deus encarnado, eu poderia ter crido no homem, poderia ter exercido fé em meus irmãos... desgraçadamente optei por desconfiar, por duvidar, por negar...

Todavia, ainda estou vivo, e estando vivo posso mudar e mudando a mim mesmo posso mudar meus filhos, minha família, meus amigos, meus companheiros, meus irmãos e o mundo.

Pois o exemplo faz milagres.

Reproduzindo Jesus em mim levarei sua mensagem de amor a todos os homens mortais.

E quando todos foram despertados pela mensagem divina do amor teremos um mundo novo.

Um mundo novo com que sonhamos, mundo em que Justiça e Paz se abraçarão!

Toma minha mão Mestre amado, e faz-me caminhar contigo.

E mesmo passando pelo Vale escuro, a sombra da morte, não temerei!