segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Tributo de amizade fraternal





Querido amigo Seino, em primeiro lugar devo dizer que tive já a honra de ser convidado para participar de diversos blogs 'humanistas' religiosos, deístas, agnósticos, seculares, etc este no entanto é meu espaço preferido ou do coração.

Naturalmente que tenho meu próprio Blog 'O protesto', que é a realização de um plano e sonho da juventude e quase que como um 'filho'. Colaboro também no Blog do Fernando, o qual apesar de ser um 'purgante' (rsrsrsrs - é uma piada ou alfinetada) é meu irmão...

Creio no entanto que este seja o espaço preferido, em que pese minha postura, notadamente oposta ao ecumenismo, ao menos quanto a sua acepção grosseira e vulgar imbuída dum relativismo epistemológico de que não partilho e do qual jamais comungarei.

Digamos então cooperação mútua, exercício de fraternidade ou simplesmente de tolerância amorosa que ao invés de condenar a pessoa humana procura compreender os motivos de sua opção mesmo quando consideramos tal opção como sendo errada.

No presente estádio é bom para a humanidade que hajam dissidências para que a verdade não seja posta acima do da caridade, do bem e da justiça que são os dons supernos e excelsos. Bom é valorizar o outro pelo que é, e cultivar o apreço pela liberdade alheia.

Em não havendo espaço para tal exercício espiritual no seio da religiosidade Cristã, não creio que haja Cristianismo. Pode existir qualquer outra coisa, mas não Cristianismo pois 'onde está o Espírito, lá está a liberdade', então quando os homens mataram-se uns aos outros por ódio a liberdade estavam guiados por outro espírito qualquer, mas não pelo espírito daquele que morreu na Cruz.

Como assassinos e matadores de gente poderiam prestar adoração e culto legítimos a um Deus que pereceu assassinado?

Sabe o autor, pela acuidade da inteligência, quanta repugnância nutro pelos princípios basilares do sistema em que fui criado, a saber, o protestantismo. E mesmo assim acolheu-me de braços e coração abertos em seu próprio espaço ou casa, mostrando-se sempre respeitoso face as minhas críticas as vezes duma veemência excessiva e duma indignação que beira a grosseria mais desbragada.

Tal atitude é duma nobreza muito rara e assaz comovente especialmente quando se sabe que somos perseguidos pelos irmãos da própria casa, que mimoseiam-nos com o honroso título de herético.

Folgamos de que os homens mesquinhos tributem-nos semelhante homenagem, pois também Clemente, Origenes, Eusébio e Teodoro, nossos mestres em Cristo, foram classificados como heréticos.

Com o Dr Seino no entanto foi diferente. Após termos terçado armas, num primeiro momento, devido a um zelo excessivo e cego de minha parte, bem como a total ignorância a respeito das intensões do nobre Dr, passamos a fraterna, amigável e fecunda discussão a exemplo de Bossuet e Mollanus.

Estando cindidos quanto aos elementos da verdade, não deixamos de estar unidos e bem associados pela lei perpétua, infinita e incorruptível da caridade.

Pois crendo que o Dr Seino encara meus equívocos doutrinários como fruto da mais pura e sincera boa fé não posso deixar de encarar seus pontos de vista como frutos da mais profunda honestidade intelectual.

O que gostaria de registrar é que acima de tudo a atitude pessoal do Dr Seino enche-me de viva e firme esperança na reconciliação de todos os seres humanos em Cristo Jesus.

Diante de exemplos como este que é dado por si digo que é necessário confiar na capacidade do ser humano, em sua perfectibilidade, em sua aptidão para as coisas santas, divinas e eternas.

Se vejo tão bela alma em ambiente que julgo tão feio e tão belo lírio de imaculada alvura entre o que creio ser lodo e lama, devo confiar e crer que nem tudo ou melhor que nada esta perdido e que tudo será encaminhado segundo sua destinação.

Bom é Deus e Sapíissimo Ser, que mesmo através das coisas vis e desprezíveis faz esplender suas verdades benditas e alimentar a fé justa e pura.

Também conheci gente de boa fé, boa vontade e de boa alma na 'cova' do partido Comunista.

Fantástico o poder de atração exercido por Jesus Cristo sobre as almas que estão preparadas para acolher a santa mensagem e deleitar-se nela.

Efetivamente, barreira alguma pois mais grossa e forte que seja é perfeitamente capaz de filtrar e de obscurecer por completo a força regeneradora do Evangelho e da sedutora figura de nosso Mestre Amado.

Diante dos belos ensinamentos de Jesus Cristo caem e rojam por terra as tonteiras dos patriarcas e dos reis dos judeus, dos papas, dos reformadores, dos sofistas... a palavra dele no entanto, e somente a palavra dele, a boa Nova do Evangelho (digo Mateus, Mc, LC e João e não o Velho e anulado Testamento) permanece de pé, impávida, firme, triunfante e gloriosa no curso dos séculos e nas revoluções dos tempos.

Belo é o testemunho luminoso de pessoas como Wesley e Seino, as quais, mesmo em meio as trevas mais espessas e cercados pelas sombras, brilham com imenso fulgor refletindo a beleza do Senhor Jesus Cristo em suas almas santas e joviais.

Condenam-se os homens ignorantes e grosseiros as míticas chamas dum inferno que não passam de reflexos produzidos por suas mentes carnais e depravadas. Os que são de Cristo e que em Cristo e de Cristo vivem compreendem-se nele apesar das diferenças, diferenças que com o exercício tanto mais intenso da boa vontade serão superadas.

Sob o senhorio de Jesus Cristo, no mundo vindouro, todos fruirão da mesma verdade na mesma medida e plenitude.

A Carlos Seino, tributo de sincera e devotada amizade nos laços inquebrantáveis do Evangelho da lei eterna.