terça-feira, 14 de abril de 2009

Depois da Páscoa

A reflexão a seguir me foi encaminhada via email pelo Reverendo Sérgio Presta, diácono da Igreja Episcopal Anglicana do Brasil, que serve atualmente na Paróquia de São João:



"Ultrapassada as festividades páscoa, temos o dever de refletir sobre tudo o que Deus concedeu a humanidade e que festejamos neste período. Primeiramente a libertação da escravidão no Egito; e, depois com o sacrifício do Seu próprio filho, que morreu para que todos nós pudéssemos ter vida eterna através D’Ele.



Veja, que para fomentar a libertação da humanidade, os acontecimentos aconteceram exatamente da mesma forma do Egito, mas de uma silhueta bem mais abrangente; pois, Cristo veio ao mundo, há um pouco mais de dois mil anos atrás, totalmente disposto a ser o maior e mais belo exemplo de amor e verdade que a humanidade conheceria. A Sua proposta de vida não foi entendida por muitos e as grandes partes das pessoas conseguiram o grande feito de ignorar todos os seus propósitos de um mundo melhor.



Neste, que foi o momento mais negro da humanidade, houve dor, angústia e escuridão. Por três dias, o sol se recusou a brilhar, a lua se negou a iluminar a Terra, até que no terceiro dia algo maravilhoso aconteceu. Houve a Sua ressurreição! É por esse fato maravilhoso e inigualável é que não podemos deixar de festejar e lembrar a todos da importância deste ato de amor chamado ressurreição. Devemos comemorar a ressurreição do sorriso; a ressurreição da alegria de viver; a ressurreição da amizade; a ressurreição dos sonhos, das lembranças; a ressurreição da vontade de ser feliz; a ressurreição do infinito amor de Deus e de uma verdade que está acima dos ovos de chocolate ou dos coelhinhos.



Lembre-se que Cristo morreu e ressuscitou para demonstrar que temos a capacidade de matar os nossos piores defeitos e ressuscitar as maiores virtudes sepultadas no íntimo de nossos corações. Porque Ele nos diz, dia após dia, e não somente na páscoa: “se fostes ressuscitados juntamente com Cristo, buscai as coisas lá do alto, onde Cristo vive, assentado à direita de Deus. Pense nas coisas do alto, não nas que estão aqui na terra; porque morrestes, e a vida está oculta juntamente com Cristo, em Deus. Quando Cristo, que é a nossa vida, se manifestar, então, vós também sereis manifestados com ele, em glória” (Cl 3,1-4)



Que esta seja a verdade antes, durante e depois da sua Páscoa".