terça-feira, 27 de outubro de 2009

A IRA DE DEUS


 

A ira de Deus não se manifesta neste mundo, necessariamente, com um ato positivo de castigo divino sobre os réprobos, como se um raio caisse em suas cabeças.

Muito pelo contrário.

Tal ira parece se manifestar muito mais em uma atitude de abandono, conforme lemos:

"Por isso, Deus os entregou, nas concupiscências de seus corações, à imundícia, para serem seus corpos desonrados entre si..." (Romanos 1.24) . Vejam que no vers. 18 do mesmo capítulo, diz que "do céu é revelada a ira de Deus".

Segundo alguns teólogos, existe uma influência divina sobre todos que procura impedir que os seres humanos se entreguem totalmente à maldade e ao egoísmo dos seus próprios corações. Armínio era de opinião que todo o ser humano tinha uma influência especial do Espírito Santo para que não pecasse contra Deus, ainda que seu estado seja caído.

Entretanto, os que perseveram em agir mal, Deus os abandona, para que, "ajam conforme querem..."

Totalmente destituídos de tal "influência divina", o ser humano a si mesmo entregue, parece realizar todo tipo de torpezas...

E, ao cometerem pecado, plantam um destino muito ruim para si mesmos, não somente nesta vida, mas segundo as Escrituras, na vida que esta por vir.

Ainda que aparentemente tais pessoas pareçam prosperar (e algumas prosperam mesmo), fato é que, esta vida nada é quando comparada com a eternidade. É como se a misericórdia de Deus permitisse que tais pessoas desfrutassem ainda de alguma alegria no pouco tempo que lhes resta, visto que, no porvir, um terrível destino as espera. Pois a "quem tem (relacionamento, e a aprovação de Deus), mais ser-lhe-á dado; e aquele que não tem, mesmo o pouco que tem lhe será tirado".

Portanto, nada há de mais perigoso para a alma de alguém o fato de estar tranquilo em seus próprios delitos e pecados.