quinta-feira, 18 de novembro de 2010

A nova (e falsa) cruz


"A nova cruz encoraja uma abordagem evangelística nova e por completo diferente. O evangelista não exige a renúncia da velha vida antes que a possa ser recebida. Ele não prega contrastes mas semelhanças. Busca a chave para o interesse do publico, mostrando que o cristianismo não faz exigências desagradáveis; mas, pelo contrário, oferece a mesma coisa que o mundo, somente num plano superior. O que quer que o mundo pecador esteja idolizando no momento, é mostrado como sendo exatamente aquilo que o evangelho oferece, sendo que o produto religioso é melhor".


"A nova cruz não mata o pecador, mas dá-lhe nova direção. Ela o faz engrenar num modo de vida mais limpo e agradável, resguardando o seu respeito próprio. Para o arrogante ela diz: "Venha e mostre-se arrogante a favor de Cristo"; e declara ao egoísta: "Venha e vanglorie-se no Senhor". Para o que busca emoções, chama: "Venha e goze da emoção da fraternidade cristã". A mensagem de Cristo é manipulada na direção a moda corrente a fim de torná-la aceitável ao público".



(TOZER, A. W. "O melhor de A. W. Tozer. Seleções prediletas dos livros de um profeta de hoje". Editora Mundo Cristão, p.152)