sábado, 20 de julho de 2013

Nenhum outro além de ti


"Tu és o meu Senhor, outro bem não possuo senão a ti somente. Quanto aos santos que estão na terra, são eles os notáveis nos quais tenho todo o meu prazer" (Salmo 16.2-3).


Um verdadeiro cristão procura fazer desta declaração a sua verdade. A de que não possui outro bem que não seja somente a Deus.

Isso se reflete então em toda a sua vida. Sua vida vai demonstrar se tal afirmação é verdadeira.

Se ele tem apego demasiado aos bens materiais, se toda a vida dele for voltada para o trabalho, para realizações, pode-se duvidar realmente se Deus é o seu único bem. Não é possível servir a Deus e a Mamon (dinheiro), pois quando se dedica a um, o outro passa a ser desprezado.

As vezes, passamos horas e horas de nossa vida estudando, nos esforçando em relação a uma determinada carreira, em frente a um computador,  etc. Será que temos o mesmo fervor para buscar a presença do Senhor, conhecer a sua Palavra? Será que todo o nosso fervor e toda a nossa força será sempre utilizada somente para ganhar dinheiro? No fim, tudo o que nos restará será Ele, e mais nada.

A vida do cristão deve ser livre de muitos embaraços que o impeçam de estar sempre na presença de Deus. Aquilo que você mais se dedica, é aquilo que você mais ama. Onde está o teu tesouro, está também o seu coração.

Isso também é verdadeiro em relação à comunidade dos que amam a Deus nesta terra. Os santos de Deus. O salmista diz que o prazer dele está neste tipo de gente, que ama a Deus. Os outros não têm mais graça para ele.

Se pudéssemos contextualizar tal questão, isso me faz pensar que os que amam a Deus também já não se deleitam mais em atividades que não são promovidas por quem ama a Deus e lhe deseja prestar toda a glória. A convivência dos irmãos têm que ser prazerosa para aquele que ama a Deus. Eles são os notáveis dos quais ele deseja se juntar.

Que a "posse de Deus" e a companhia dos santos seja o desejo no coração daqueles que amam o Pai.