sexta-feira, 23 de julho de 2010

A Prostituta e o Fariseu


Baseado em Lucas 7.

Houve uma ocasião quando um fariseu convidou a Jesus para um jantar. O que era de se estranhar, pois os fariseus viviam encrencando com Cristo. Teria sido aquela uma atitude excepcionalmente simpática de um fariseu em relação a Jesus ou não passaria de mais uma das inúmeras ciladas com intuito de desmoralizá-lo? Aparentemente, Jesus estava sendo tratado como um grande mestre vindo fora, pois um banquete público havia sido preparado, onde convidados especiais se reclinariam à mesa enquanto a maioria da vizinhança ficaria ao redor para assistir aos debates entre o mestre visitante e os mestres locais. Mas, espantosamente, o anfitrião negligenciou as honrarias da casa ao ilustre convidado. Receber com um beijo, providenciar água para a lavagem dos pés e ungir a cabeça com óleo eram a maneira correta de dar as boas vindas na cultura daquela época. A negligência do fariseu foi proposital com intuito de envergonhar e desmoralizar a pessoa de Jesus diante de toda aquela comunidade.

Jesus não reagiu com grosseria. Aceitou pacificamente aquela humilhação. Enquanto isto, uma mulher, indignada com o desprezo demonstrado a Jesus, se aproxima dele, e, agindo como se fosse uma serva, passa a lavar os pés de Jesus com suas lágrimas e a enxugá-los com seus cabelos.  Ela também beija os seus pés e derrama sobre eles um vidro precioso de perfume. O fariseu, malicioso, julga que Jesus não possuía discernimento espiritual para constatar que a mulher não passava de uma prostituta.

No entanto, Jesus aproveita a oportunidade para não apenas revelar seu discernimento em relação a condição da mulher como também em relação ao que se passava na mente e no coração do próprio fariseu. Com uma breve parábola, Jesus aponta para os motivos por detrás do pecado de omissão do fariseu, de ter feito pouco caso de Cristo, que tinham a ver com a falta de gratidão e a falta de amor, por não reconhecer sua condição de pecador que carecia igualmente do misericordioso perdão do Salvador.

O fariseu chama a mulher de pecadora, pois ele não se julgava pecador. Ele achava que não fazia nada de muito errado e que portanto não carecia tanto assim de perdão e misericórdia. Já a mulher se via como pecadora e estava muito agradecida a Cristo pelo perdão e nova oportunidade de vida que encontrara em Cristo. Os atos daquela mulher revelam sua fé e o seu grande amor e devoção. A omissão daquele homem revela sua falta de fé e consideração a Jesus como Senhor e Salvador. Desprezar o Salvador é desfazer-se da única esperança de se livrar da condenação do Juízo Final.

E, nesta história, com quem é que nós mais nos identificamos? Estamos cônscios dos nossos pecados e nos sentimos eternamente gratos a Jesus por seu perdão que transborda da cruz ou nos assemelhamos ao fariseu em sua presunção espiritual e não sentimos tanta necessidade de perdão? O que é que revelam as nossas ações em relação a Cristo? Muito amor e gratidão ou pouco amor e até mesmo descaso?

Bispo Ildo Mello
www.metodistalivre.org.br
imeldemirandopolis.blogspot.com