segunda-feira, 4 de julho de 2011

Cobiçar é adulterar


Lectio:

Ouvistes que foi dito aos antigos: Não cometerás adultério.

Eu, porém, vos digo, que qualquer que atentar numa mulher para a cobiçar, já em seu coração cometeu adultério com ela.

Portanto, se o teu olho direito te escandalizar, arranca-o e atira-o para longe de ti; pois te é melhor que se perca um dos teus membros do que seja todo o teu corpo lançado no inferno.

E, se a tua mão direita te escandalizar, corta-a e atira-a para longe de ti, porque te é melhor que um dos teus membros se perca do que seja todo o teu corpo lançado no inferno.



Meditatio:

Geralmente, quem ainda não assimilou os conteúdos do evangelho, protesta contra tais palavras.

Dizem: não posso nem olhar? Agora, até o pensamento está policiado?

Os tais não entendem o que já conversamos antes.

Jesus importa-se com a justiça do coração. A transformação que vem "de dentro para a fora".

Já li um comentador (que não era cristão) dizer acertadamente que, quem se entrega à cobiça, está muito mais sujeito ao ato que aquele que "corta o mal pela raiz".

Jesus vai além; equivale o ato de cobiçar ao ato de cometer adultério "no coração", ou seja, dentro de si.

"Arranca-o e atira-o para longe de ti".

Tem a ver com a radicalidade com o qual tal pecado deve ser rechaçado; e não atos de mutilação pessoal, como alguns fizeram na antiguidade.


Actio:

Hà algo que leve seus membros a pecar? Arranque-o para longe de ti. Se o mal "entrar pelos olhos", corre-se o risco de fazer morada no coração, e poluir o corpo todo. "Atos vergonhosos procedem de pensamentos vergonhosos e a imaginação se inflama por causa da indisciplina dos olhos" (Jonh Stott).

Cada um conhece o seu próprio limite...


Oratio:

Que o Senhor nos ajude a preservar a pureza dos olhos e ter discernimento para evitar o pecado da cobiça.